Publicidade

Correio Braziliense

Fukushima retira polêmica estátua de criança com roupa antirradiação

A estátua em memória da catástrofe nuclear de Fukushima, a pior desde o acidente de Chernobyl (Ucrânia) em abril de 1986, dividiu opiniões na cidade.


postado em 29/08/2018 09:25


Tóquio, Japão - A cidade japonesa de Fukushima decidiu retirar a estátua de um garoto com um uniforme amarelo de proteção contra radioatividade, após críticas de que sua exposição prejudica a imagem da região.

"Me pareceu impossível continuar expondo uma estátua que se supunha ser 'um símbolo de reconstrução', se os cidadãos estão divididos a esse respeito", explicou o prefeito de Fukushima, Hiroshi Kohata, em um comunicado, no qual pediu desculpas a quem a obra tiver "ferido sensibilidades", nessa região gravemente afetada pelo acidente nuclear de março de 2011.

De 6 metros de altura e inaugurada no início de agosto, a obra "vai ser retirada o mais rápido possível". Ainda não se decidiu qual será seu destino. "Sun child", como foi batizada, representa um menino com um capacete em uma mão, exemplo de que o ar agora está limpo, e um sol na outra, símbolo de esperança. No torso, vê uma tela que mostra "000" para destacar a ausência de radiação.

Vários internautas consideraram que a estátua é "sinistra" e que não contribui para restabelecer a reputação de Fukushima. A cidade de Fukushima é a capital da região administrativa homônima, sede da central nuclear destruída pelo tsunami de 11 de março de 2011.

A catástrofe nuclear de Fukushima, a pior desde o acidente de Chernobyl (Ucrânia) em abril de 1986, provocou a retirada de milhares de habitantes. Muitos nunca mais voltaram para suas casas.

O autor da escultura, Kenji Yanobe, havia explicado que, com sua obra, quis transmitir uma mensagem positiva. Em sua página on-line, disse "lamentar" a decisão de retirada da estátua, embora também não queira ver seu trabalho como alvo de polêmica.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade