Publicidade

Correio Braziliense

Ruptura de represa em Mianmar deixa milhares de desabrigados

No total, 14.000 casas de quase 100 vilarejos da região de Bago, 70 km ao norte de Yangun, foram afetadas


postado em 29/08/2018 16:28

Os habitantes, alguns com água chegando à altura do peito, esforçaram-se ao máximo para alcançar áreas mais elevadas e se refugiar(foto: AFP)
Os habitantes, alguns com água chegando à altura do peito, esforçaram-se ao máximo para alcançar áreas mais elevadas e se refugiar (foto: AFP)
 
Bago, Mianmar - A ruptura nesta quarta-feira (29) de uma represa em Mianmar obrigou milhares de pessoas a fugirem de suas casas, inundadas, e bloqueou a principal estrada do país - informaram as autoridades.

"A água chegou a localidades com mais de 50.000 habitantes", anunciou à AFP Phyu Lae Lae Tun, alto funcionário do Ministério birmanês para Assuntos Sociais.

No total, 14.000 casas de quase 100 vilarejos da região de Bago, 70 km ao norte de Yangun, foram afetadas. As autoridades não divulgaram informações sobre mortos, ou feridos.

A represa de Swar Chaung rompeu, devido à pressão das chuvas torrenciais, causando um fluxo súbito e abundante de água, que inundou as planícies rurais da região.

"Há mais de 14 mil casas e cerca de 63 mil pessoas afetadas pelas enchentes", indicou Phyu Lae Tun. Até o momento, não foram notificadas mortes, mas 12.600 pessoas buscaram refúgio nos 30 abrigos temporários preparados para receber os deslocados, segundo o governo.

Os habitantes, alguns com água chegando à altura do peito, esforçaram-se ao máximo para alcançar áreas mais elevadas e se refugiar, de acordo com jornalistas da AFP presentes na aldeia de Kayin.

Muitos outros ficaram presos em suas casas parcialmente submersas, esperando pelo resgate dos socorristas que tentavam evacuar as zonas afetadas enquanto a noite caia.

As águas também causaram o colapso de boa parte de uma ponte localizada na estrada Yangun-Mandalay, as duas maiores cidades de Mianmar.

Além disso, o vice-ministro da Construção, Kyaw Linn, disse a repórteres que os pilares da ponte estavam afundando. "Vamos enviar mergulhadores para verificar quando o nível da água cair", explicou ele.

Atualmente com uma imagem deteriorada no cenário internacional por causa das acusações da ONU de "limpeza étnica" infligida contra a minoria muçulmana rohingya, o comandante-em-chefe do Exército, Min Aung Hlaing, rapidamente se dirigiu à região afetada nesta quarta-feira.

A ruptura da represa ocorreu semanas após as fortes chuvas de monções terem forçado 150 mil birmaneses a fugirem de suas casas. No Sudeste Asiático, a temporada anual das monções geralmente se estende de junho a novembro.

Laos, país vizinho de Mianmar, também sofreu com as fortes chuvas no mês passado, que também causaram a ruptura de uma barragem, deixando pelo menos 35 mortos, muitas pessoas declaradas desaparecidas e milhares de refugiados em abrigos temporários.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade