Publicidade

Correio Braziliense

Celulares passam a ser proibidos nas salas de aula na França

Adotada no final de julho, a nova lei é uma promessa eleitoral do presidente Emmanuel Macron. Os defensores da norma alegam que o uso do telefone celular prejudica a capacidade de atenção em classe, o ambiente escolar e reduz a atividade física nos pátios, além de servir para expor os menores a conteúdos violentos, ou pornográficos.


postado em 03/09/2018 08:32 / atualizado em 03/09/2018 09:21

A lei também permite que o aparelho seja apreendido, algo que os professores não tinham o direito de fazer até agora. (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A lei também permite que o aparelho seja apreendido, algo que os professores não tinham o direito de fazer até agora. (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Paris, França - A volta às aulas na França depois das férias de verão foi marcada, nesta segunda-feira (3/9), pela proibição do uso de aparelhos eletrônicos no ensino obrigatório, uma medida que deflagrou um amplo debate social.

A nova lei proíbe o uso de qualquer aparelho conectado (celular, tablet, relógio) nas escolas de Ensino Básico e nos "collèges", ou seja, até os 14-15 anos. Já os liceus (até os 18 anos) terão a possibilidade de aplicar a medida total, ou parcialmente. Esta prática já havia sido adotada por muitos centros, mas agora a lei se aplicará a todos os estabelecimentos. 

Adotada no final de julho, a nova lei é uma promessa eleitoral do presidente Emmanuel Macron. Os defensores da norma alegam que o uso do telefone celular prejudica a capacidade de atenção em classe, o ambiente escolar e reduz a atividade física nos pátios, além de servir para expor os menores a conteúdos violentos, ou pornográficos.

É uma lei "de entrada no século XXI", que envia uma "mensagem para a sociedade francesa" e também para o exterior, com "outros países interessados", disse o ministro da Educação, Jean-Michel Blanquer. Quase nove em cada dez jovens de 12 a 17 anos (86%) têm celular na França.

Os críticos da medida denunciaram uma "operação de comunicação" e uma "lei de circunstâncias" que "não mudará nada". Também ressaltam a falta de recursos para sua aplicação, já que o governo aconselha, por exemplo, guardar os celulares em armários com chave, mas algumas escolas não têm.

A lei também permite que o aparelho seja apreendido, algo que os professores não tinham o direito de fazer até agora. "É um bom sinal: na escola, se você estuda, não está com os telefones", disse à AFP Marie-Coline Madeleine, de 41 anos.
 
Sua filha, que começa este ano o Ensino Médio, deixará o celular na mochila. "Com os adolescentes é difícil. Não controlamos o que veem (...) Minha filha já sabe que os eletrônicos podem ser apenas em pequenas doses", acrescentou Marie-Coline.

Vários alunos interrogados em um colégio de Paris disseram que manterão seus aparelhos desligados durante o dia, mas que continuarão com eles para se comunicar com os pais quando as aulas terminarem. Mais de 12 milhões de alunos voltaram das férias nesta segunda-feira na França

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade