Publicidade

Correio Braziliense

Kirchner outra vez ante o tribunal por escândalo de corrupção

A ex-presidente argentina se manifestou em sua conta no twitter e pediu a seus seguidores que não se manifestem.


postado em 03/09/2018 10:00

Buenos Aires, Argentina - Cristina Kirchner, que governou a Argentina entre 2007 e 2015, aparece nesta segunda-feira (3/9) novamente ante os tribunais para testemunhar no caso de suborno conhecido como "Cadernos da corrupção", que já levou a operações de busca e apreensão em três residências suas.

A ex-presidente argentina se manifestou em sua conta no twitter e pediu a seus seguidores que não se manifestem. "Não se mobilizem, ponham sua energia em defender a universidade e a saúde pública, a ciência e a tecnologia e ajudar aqueles que estão passando por dificuldades, que infelizmente não são muito poucos em nosso país hoje", escreveu Kirchner. 

Kirchner, de 65 anos e que governou a Argentina entre 2007 e 2015, já havia comparecido em 13 de agosto a uma primeira sessão de interrogatório no tribunal que investiga o pagamento de subornos por parte de empresários para obter contratos de obras públicas.

A ex-presidente, da corrente de centro esquerda do peronismo, considera que o caso que a tem como a principal beneficiária da trama de milionários subornos faz parte de um complô que pretende proscrevê-la da política.

O esquema de subornos, narrado em uma série de cadernos detalhados de um motorista do Ministério do Planejamento e que acabaram nas mãos da Justiça, abarca também  a presidência do falecido Néstor Kirchner (2003-2007).

Como senadora, Cristina Kirchner conta com foro privilegiado que impede a sua detenção, embora possa ser denunciada e condenada. Na semana passada, e após autorização do Parlamento, suas três residências em Buenos Aires e nas localidades de Río Gallegos e El Calafate, na Patagônia (sul), foram revistadas por ordem do juiz Bonadio. 

Além disso, Kirchner tem abertos outros cinco processos judiciais por suposta corrupção e por encobrir iranianos no ataque à mutual judaica AMIA.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade