Publicidade

Correio Braziliense

Terremoto deixa dois mortos e 40 desaparecidos no norte do Japão

O terremoto foi seguido por um abalo secundário de 5,3 graus e outros tremores menores. A Agência Meteorológica japonesa anunciou uma leve elevação do nível do mar nas zonas costeiras, mas não emitiu alerta de tsunami.


postado em 06/09/2018 08:13

Segundo autoridades, 2,95 milhões de residências estão sem eletricidade em consequência do tremor, que paralisou a atividade de todas as usinas da região. (foto: JIJI PRESS / AFP)
Segundo autoridades, 2,95 milhões de residências estão sem eletricidade em consequência do tremor, que paralisou a atividade de todas as usinas da região. (foto: JIJI PRESS / AFP)
 
Tóquio, Japão - Um terremoto de 6,6 graus de magnitude sacudiu nesta quinta-feira (6/9) a ilha de Hokkaido, no norte do Japão, deixando dois mortos, cerca de 40 desaparecidos e 125 feridos, segundo o último boletim das autoridades. O epicentro do tremor foi situado 62 km a sudeste da capital regional, Saporo, apenas dois dias após um tufão causar importantes danos na região ocidental de Osaka. 

O terremoto foi seguido por um abalo secundário de 5,3 graus e outros tremores menores.  A Agência Meteorológica japonesa anunciou uma leve elevação do nível do mar nas zonas costeiras, mas não emitiu alerta de tsunami.

O porta-voz do Governo, Yoshihide Suga, informou a morte de duas pessoas, além de 125 feridos em consequência do terremoto.  Segundo o canal estatal NHK, uma das vítimas fatais é um homem de 82 anos, que caiu da escada de sua casa durante o tremor.

O terremoto provocou ao menos quatro deslizamentos de terra, informou o porta-voz do governo, Yoshihide Suga. Fotos aérias mostram os estragos causados por um deslizamento de terra que arrancou todas as árvores e soterrou casas na localidade de Atsuma, onde há 39 desaparecidos, segundo o canal NHK. 
 
Os bombeiros evacuavam os demais habitantes de Atsuma de helicóptero. Oito casas desabaram e os socorristas trabalham a procura de possíveis vítimas sob os escombros, segundo o corpo de bombeiros.

Um contingente de 4 mil militares foi enviado à região para participar dos trabalhos de resgate, e este número deve ser ampliado a 25 mil homens, anunciou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, após uma reunião do gabinete de crise.  Segundo a Hokkaido Electric Power, 2,95 milhões de residências estão sem eletricidade em consequência do tremor, que paralisou a atividade de todas as usinas da região. 

O fornecimento de energia deve ser retomado de forma progressiva, informou o ministro da Indústria, Hiroshige Seko. O terremoto também perturbou os transportes ferroviários e aéreos. O aeroporto de Sapporo Chitose cancelou todos os seus voos, segundo a agência de notícias Kyodo. 

As autoridades alertaram para o risco de novos tremores: "Fortes abalos secundários ocorrem geralmente nos dois ou três dias seguintes", disse Toshiyuki Matsumori, encarregado de vigilância de tsunamis e terremotos da agência meteorológica. 

"O risco do desabamento de casas e de deslizamentos de terra pode ter aumentado nas zonas que sofreram fortes abalos. Pedimos à população que preste atenção na atividade sísmica e nas chuvas, e que evitem as zonas de risco". 

"O terremoto me acordou logo após às três da madrugada. Acendi a luz, mas a energia acabou logo depois", contou Akira Fukui, morador de Sapporo. 

"Houve um abalo repentino, extremo. Balançou de forma lateral durante muito tempo, parou e voltou a tremer. Tenho 51 anos e jamais vivi algo assim", declarou Kazuo Kibayashi, morador da cidade de Abira. 

"Pensei que minha casa ia desabar, ficou tudo revirado. Minha filha, que está na escola, ficou aterrorizada".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade