Publicidade

Correio Braziliense

Dez milhões de norte-americanos estão ameaçados pelo furacão Florence

O Florence foi rebaixado para a categoria 3, ainda perigosa, sobretudo pelo alto risco de inundações que poderão ser causadas pelo volume de chuva que deve atingir a região.


postado em 13/09/2018 07:09 / atualizado em 13/09/2018 11:24

Ver galeria . 12 Fotos Mais de 1,5 milhão de moradores da faixa costeira tiveram ordem de deixar casas AFP
Mais de 1,5 milhão de moradores da faixa costeira tiveram ordem de deixar casas (foto: AFP )

A preocupação com a chegada do furacão Florence ao continente norte-americano levou mais estados a assinarem decretos de estado de emergência e colocarem a população em alerta. Os Estados da Geórgia, Virginia e Maryland e das Carolinas do Sul e do Norte estão entre as unidades federativas que se colocaram em vigilância. Estima-se que mais de 10 milhões de pessoas moram nas regiões que podem ser impactadas, direta ou indiretamente, pela passagem do furacão.

O alerta é redobrado nas Carolinas do Sul e do Norte, estados onde mais de 1,5 milhão de pessoas foram orientadas a deixarem as casas. Mas, segundo a imprensa local, muitos não atenderam prontamente às ordens de saída que começaram a vigorar nesta terça-feira (11/9), sobretudo porque não queriam deixar de trabalhar. O presidente Donald Trump chegou a fazer outro apelo, na quarta-feira (12/9), para que moradores que não deixaram suas casas, na área de saída obrigatória, saíssem da região.

O furacão Florence foi rebaixado para a categoria 2 durante a madrugada, mas, segundo os meteorologistas, o fenômeno deve voltar à categoria 4. A previsão é que a tempestade alcance a costa leste dos Estado Unidos nesta sexta-feira (14/9).

À meia-noite (de Brasília), a tempestade foi centralizada a 455 quilômetros a sudeste de Wilmington, Carolina do Norte, e estava se movendo para o noroeste a 28 quilômetros por hora, com ventos que chegam às 193 quilômetros por hora. A chegada do furacão deve provocar ainda o aumento da altura das ondas e inundações na área costeira.

Com informações de agências de notícias 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade