Publicidade

Correio Braziliense

Parentes de vítimas do voo da Chapecoense pedem indenização na Bolívia

Familiares das vítimas do voo do clube Chapecoense chegaram à Bolívia para administrar o pagamento de uma indenização que até agora não chegou


postado em 04/10/2018 18:11

Setenta e uma pessoas perderam a vida, entre elas 19 jogadores, 14 membros da comissão técnica e nove dirigentes do clube catarinense(foto: Raul Arboleda )
Setenta e uma pessoas perderam a vida, entre elas 19 jogadores, 14 membros da comissão técnica e nove dirigentes do clube catarinense (foto: Raul Arboleda )
 
La Paz, Bolívia - Familiares das vítimas do voo do clube Chapecoense, acidentado em 2016 em uma aeronave da LaMia, chegaram à Bolívia para administrar o pagamento de uma indenização que até agora não chegou, informou nesta quinta-feira (4) um advogado.

Juristas e membros da direção da Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo da Chapecoense (AFAV-C) estão na cidade de Santa Cruz, 900 km a leste de La Paz, de onde partiu, em 2016, a aeronave boliviana da LaMia, que se acidentou ao se aproximar do aeroporto de Medellín, na Colômbia.

"Não recebemos nem um centavo", afirmou o advogado brasileiro Josmeyr Oliveira, pouco após chegar à Bolívia, citado pelo jornal El Deber. Segundo a explicação, trata-se de uma gestão de urgência, pois estão no limite do prazo de dois anos para reivindicar o pagamento de indenizações.

Ele explicou que tenta se reunir com autoridades de instituições e empresas que possam ajudá-los a cobrar a indenização pela perda de seus entes queridos.

Setenta e uma pessoas perderam a vida, entre elas 19 jogadores, 14 membros da comissão técnica e nove dirigentes do clube catarinense. Apenas seis ocupantes sobreviveram ao acidente: uma aeromoça, um técnico de aviação, um jornalista e três jogadores.

Integram a comissão brasileira que chegou à Bolívia Fabienne Belle e Mara Paiva, presidente e vice-presidente da associação de vítimas, que perderam seus familiares no acidente da LaMia.

Um relatório da empresa financeira boliviana BISA revelou em 2017 que a LaMia não tinha cobertura de seguro, embora tenha estabelecido um fundo de assistência às vítimas. A Justiça local ainda investiga o caso.

O avião da LaMia partiu de Santa Cruz com jogadores da Chapecoense a bordo, após serem transferidos de um voo comercial procedente do Brasil.

Uma investigação de autoridades colombianas concluiu que a aeronave caiu pouco antes de chegar ao aeroporto colombiano José María Córdova, em 28 de setembro de 2016, por falta de combustível.

Autoridades bolivianas apontaram como responsáveis funcionários aeroportuários e de aviação civil e da mesma empresa, por ter cometido graves falhas técnicas para a realização do voo fatídico.

A LaMia operava como resultado de uma concessão do jato Avro, do empresário venezuelano Ricardo Albacete Vidal aos pilotos bolivianos Alejandro Quiroga e Marco Antonio Rocha. Quiroga morreu no acidente e o outro piloto está foragido.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade