Publicidade

Correio Braziliense

PF paraguaia interrompe plano de fuga de traficante brasileiro

Operação envolveu compartilhamento de informações entre os dois países


postado em 05/10/2018 08:18 / atualizado em 05/10/2018 08:47

Nos locais da prisão, foram encontrados um caderno com anotações sobre o plano de ação, pistolas, sistema de rádio, fuzis, coletes à prova de bala e muita munição.(foto: Agencia Estado)
Nos locais da prisão, foram encontrados um caderno com anotações sobre o plano de ação, pistolas, sistema de rádio, fuzis, coletes à prova de bala e muita munição. (foto: Agencia Estado)
A Polícia Federal (PF), em conjunto com a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai prendeu, em Assunção, cinco traficantes brasileiros que planejavam resgatar Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto. Líder do Comando Vermelho, é apontado como um dos principais fornecedoras de armas e drogas no país.

Marcelo Piloto era um dos homens mais procurados no Brasil. Em dezembro do ano passado, ele foi preso em Encarnación, no Paraguai.

A operação que deteve a quadrilha brasileira, formada por quatros homens e uma mulher, ocorreu nesta quinta-feira (4/10) em três casas na capital paraguaia. De acordo com a PF, a operação foi bem-sucedida porque houve cooperação na troca de informações entre os dois países. Nos imóveis alugados pela quadrilha, foram encontradas muitas armas e munições.

A Polícia Federal reforçou, a importância da atuação integrada das polícias da América do Sul no combate à criminalidade transnacional.

Segundo os policiais federais, têm sido adotadas medidas para o incremento de integração a partir do Centro de Cooperação Policial Internacional, instalado na Superintendência da PF, no Rio de Janeiro.

O centro conta com  a participação das polícias da Colômbia, do Peru, da Bolívia, do Paraguai e da Argentina.

Túnel


Na última terça-feira (2/10), a polícia do Paraguai prendeu quatro pessoas, uma delas brasileira, após descobrir um túnel perto da prisão de Pedro Juan Caballero, no Departamento de Amambaí, perto da fronteira com o Brasil.

Ele seria utilizado para resgatar 80 integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade