Publicidade

Correio Braziliense

Alunos e professores abandonam escolas após reformas de Maduro

Cerca de 20% dos docentes se demitiram devido aos baixos salários e 25% dos estudantes saíram pelo custo da matrícula


postado em 05/10/2018 16:57 / atualizado em 05/10/2018 17:30

Após o aumento salarial de 3.400% ordenado pelo presidente Nicolás Maduro em agosto, os colégios aumentaram suas matrículas para pagar professores(foto: AFP)
Após o aumento salarial de 3.400% ordenado pelo presidente Nicolás Maduro em agosto, os colégios aumentaram suas matrículas para pagar professores (foto: AFP)
 
Caracas, Venezuela - Dariangel teve que se despedir de seus colegas porque seus pais não podiam pagar o aumento da mensalidade do colégio. As reformas econômicas do governo venezuelano esvaziaram as escolas particulares, a ponto de algumas delas fundirem cursos.

Após o aumento salarial de 3.400% ordenado pelo presidente Nicolás Maduro em agosto, os colégios aumentaram suas matrículas para pagar professores, desafiando a ameaça do governo de intervir se os aumentos fossem altos.

"Foi demais, de 9 bolívares a 900 (14,5 dólares). Expliquei-lhe que não tinha esse dinheiro, mas prometi que sempre teria a merenda que ela gosta", contou à AFP Dagliana González, mãe de Dariangel, que foi para uma escola pública.

O salário básico é de 1.800 bolívares (29 dólares), mas só um quilo de carne custa 350, devido a uma inflação que pode chegar este ano a 1.000.000%, segundo o FMI.

A menina de 11 anos estudava no colégio Lev Vygotski, no estado de Zulia (noroeste), onde além dos aumentos e da baixa inscrição de estudantes, há contínuas falhas se serviços.

As aulas começaram há duas semanas sem energia elétrica: apenas um raio de luz que entrava pela janela permitia que as crianças vissem a professora. Várias salas estavam vazias.    

"Temos 15 docentes para cerca de 350 alunos e até hoje, com 60, não vamos poder pagá-los", disse à AFP Eddie Barboza, diretor do colégio, sem descartar um novo aumento.

Fausto Romeo, da Associação de Institutos Educativos Privados (Andiep), disse que cerca de 400 colégios correm o risco de fechar após as reformas que desvalorizaram a moeda em 96% e preveem um aumento do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA) e da gasolina.

Segundo Andiep, 20% dos docentes se demitiram devido aos baixos salários e 25% dos estudantes saíram pelo custo da matrícula.

O governo se comprometeu com a Andiep a subsidiar os salários dos educadores nos colégios que não possam bancá-los. 

"Não somos obrigados a cobrar um montante específico (de matrícula). O governo está disposto a subsidiar os colégios em risco de fechar", afirmou na quinta-feira Alejandro Conejero, presidente da associação.  

"Não tenho o dinheiro"

O ministro da Educação, Aristóbulo Istúriz, admitiu que devido aos altos custos há um êxodo de alunos para a educação pública, que é gratuita, de modo que "uma grande quantidade de escolas" fecharam. "Tem a ver com a guerra econômica", disse sobre um suposto esquema para derrubar o governo.

No colégio Antonio Bertorelli Cisneros, em Caracas, três professoras (quase metade) se demitiram, porque a pequena instituição tem dificuldade para pagar o aumento salarial. A matrícula subiu 2.000% e várias crianças foram tiradas pelos pais.

"Há oito anos tínhamos mais de 200 alunos, no ano passado 110 e este ano começamos com 50", disse à AFP a diretora do colégio, Anne de Serfattil. 

Para se adaptar, juntaram em uma mesma sala primeira com segunda série, terceira com quarta e quinta com sexta.

Os anos em que ofereciam café da manhã e almoço ficaram na memória: a escassez de alimentos e remédios que caracteriza a crise faz com que isso seja impossível.

Ganhando um salário mínimo, a publicitária Aniuska Villegas não sabe se poderá manter sua filha na pré-escola, que aumentou 2.500%.

Só pela inscrição e o primeiro mês, Aniuska deve pagar 1.550 bolívares, quase seu salário. "Não tenho o dinheiro (...), vou avaliar se estuda em casa. Muitos tiraram seus filhos", comentou.

Repetir uniforme 

Mesmo quando podem pagar as matrículas, alguns pais têm dificuldades para comprar material escolar e uniformes. 

Karla Franceschi conta que no colégio de seu filho a lista de material foi reduzida pela metade, e em  comparação com os seis livros do ano passado, só lhe pediram um, que custa 1.600 bolívares. "Consegui um usado e tive que apagar o que estava escrito", disse à AFP. 

No colégio de David, seu filho de oito anos, já não são tão estritos com o uniforme: "Não tem que ir com sapatos pretos, (o aluno) terminou o ano passado com sapatos laranjas", contou.

Muitos colegas de David emigraram com suas famílias, e vários dos que ficaram repetem uniformes desgastados. 

Sixto Gil, pai de duas meninas, cobriu o aumento de 1.000%, mas não sabe se poderá pagar os reajustes mensais.

"Cobram o mínimo indispensável", reconhece, embora agora só haja uma professora por grupo de alunos, quando antes cada grupo tinha quatro docentes. 

Nos colégios de classe alta de Caracas, começaram a cobrar em dólares: pagam-se 100 dólares por mês, mais uma cota anual de entre 600 e 1.000 dólares, segundo fontes do setor. As filhas de Gil repetirão uniforme pela primeira vez. "Verei até onde posso chegar", diz.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade