Publicidade

Correio Braziliense

Partido pró-russo e dois populistas vencem legislativas na Letônia

O Harmonia, partido popular na minoria russa letã foi aliado no passado do partido Rússia Unida do presidente Vladimir Putin


postado em 07/10/2018 12:16

O partido pró-russo Harmonia venceu as eleições legislativas de sábado (6) na Letônia, à frente dos populistas, com os quais não exclui formar uma coalizão governamental.

Segundo os resultados definitivos publicados neste domingo (7), o Harmonia recebeu 19,8% dos votos, à frente dos populistas do KPV LV (14,25%), que afirmam poder colaborar com todas as formações, e dos conservadores do Novo Partido (13,6%).

Eles são seguidos por uma nova aliança liberal Desenvolvimento/FOR, com 12,0%, a Aliança Nacional (direita) 11,0%, Verdes e Camponeses (centro-direita) do primeiro-ministro  Maris Kucinskis (9,9%) e Nova Unidade (centro-direita) 6,7%.

O Harmonia, partido popular na minoria russa letã, que representa um quarto da população de 1,9 milhão de habitantes, foi aliado no passado do partido Rússia Unida do presidente Vladimir Putin e foi o mais votado nas últimas três eleições. 

Contudo, nunca participou de um governo porque não conseguiu fazer alianças.

Agora, terá a difícil tarefa de iniciar negociações para formar alianças. O atual Parlamento se mantém inalterado até novembro.

O líder do Harmonia, o prefeito de Riga Nils Ushakovs, expressou no sábado a sua ambição de conseguir, desta vez, fazer seu partido entrar no governo.

A eleição foi marcada por uma sabotagem de hackers à rede social Draugiem.lv, a segunda mais popular do país depois do Facebook. 

"Camaradas letões, isso lhes diz respeito. As fronteiras com a Rússia não têm fim", afirma a mensagem, em russo, com imagens de soldados e tanques aparentemente russos desfilando em Moscou, com um sorridente Vladimir Putin.

"Esperávamos esses tipos de incidentes", disse o ministro das Relações Exteriores, Edgars Rinkevics, à agência de notícias LETA após anunciar uma investigação. 

A participação alcançou 51,3% da população, segundo a comissão eleitoral. 

A coalizão de centro-direita conseguiu reestruturar a economia após a crise de 2009, mas o eleitorado está à procura de novos rostos. 

Os eleitores "querem novas caras, os ministros atuais não têm nada atraente para propor a eles, é aí que o populismo encontra o seu lugar", analisa o cientista político Filips Rajevskis.

A história do país báltico é marcada pelas difíceis relações com o vizinho russo. A Letônia, bem como as vizinhas Lituânia e Estônia, conquistou sua independência em 1918, após a queda do império dos czares.

Mas os três países bálticos foram posteriormente ocupados pela Alemanha nazista e, durante meio século, pela União Soviética.

O país é membro da Otan, da União Europeia (UE) e da zona do euro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade