Publicidade

Correio Braziliense

Médico é considerado culpado por roubo de bebê durante ditadura na Espanha

O ginecologista Eduardo Vela roubou um bebê há cinco décadas, mas não foi penalizado, visto que o crime prescreveu


postado em 08/10/2018 16:14 / atualizado em 08/10/2018 16:43

Segundo a corte, o médico não pode ser punido porque a vítima, Inés Madrigal, não apresentou sua queixa até 2012(foto: Reprodução )
Segundo a corte, o médico não pode ser punido porque a vítima, Inés Madrigal, não apresentou sua queixa até 2012 (foto: Reprodução )
Um tribunal de Madri determinou, nesta segunda-feira, 8, que o ginecologista Eduardo Vela, de 85 anos, roubou um bebê recém-nascido há quase cinco décadas, mas não o penalizou, sob o argumento de que o crime prescreveu. A criança roubada por Vela foi uma das várias crianças sequestradas durante a ditadura franquista na Espanha. Segundo a corte, o médico não pode ser punido porque a vítima, Inés Madrigal, não apresentou sua queixa até 2012. Além disso, foi determinado que Vela também é o responsável não somente pelo sequestro de Inés, em 1969, mas também pela falsificação de seu nascimento, com os nomes de pais adotivos, e falsificação de documentos oficiais. O veredicto desta segunda-feira é o primeiro da Espanha relacionado ao sequestro de milhares de crianças durante a Guerra Civil espanhola e as décadas de ditadura liderada pelo general Francisco Franco que se seguiram. Vela, que era diretor de uma clínica em Madri, considerada o epicentro do escândalo, negou as acusações durante o julgamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade