Publicidade

Correio Braziliense

Putin garante que os russos "irão para o paraíso" em caso de guerra nuclear

Putin ainda advertiu que qualquer agressor que queira atacar seu país com armas atômicas será "destruído"


postado em 18/10/2018 18:38

Vladimir Putin ordenou em 2016 reforçar o potencial nuclear militar da Rússia, assim como uma modernização dos armamentos(foto: AFP)
Vladimir Putin ordenou em 2016 reforçar o potencial nuclear militar da Rússia, assim como uma modernização dos armamentos (foto: AFP)
Os russos "irão para o paraíso" em caso de guerra nuclear, garantiu nesta quinta-feira o presidente Vladimir Putin, defendendo-se de qualquer tentativa de guerra. Ele advertiu que qualquer agressor que queira atacar seu país com armas atômicas será "destruído".

"O agressor deve compreender que o castigo é inevitável, que será destruído. E nós, como vítimas de uma agressão, como mártires, iremos ao paraíso. Eles [os agressores] simplesmente morrerão, nem sequer terão tempo de se arrepender", disse Putin durante uma entrevista coletiva em Sochi (sudoeste).

Caso ocorra uma guerra nuclear, a Rússia "não poderá ser a iniciadora de tal catástrofe porque não temos um conceito de ataque preventivo", esclareceu o presidente russo.

"Em uma situação assim, esperamos ser atacados por armas nucleares, mas não as utilizaremos" primeiro, garantiu.

A Rússia critica os Estados Unidos por sua nova doutrina nuclear adotada no começo de 2018, classificada de "beligerante" e de "antirrussa", que pretende principalmente proporcionar a este país novas armas nucleares de baixa potência.

Vladimir Putin ordenou em 2016 reforçar o potencial nuclear militar da Rússia, assim como uma modernização dos armamentos, em resposta ao reforço da presença militar da OTAN em suas fronteiras, percebido como uma ameaça.

A doutrina militar russa não menciona a possibilidade de um "ataque preventivo" utilizando ogivas nucleares. A Rússia se reserva o direito de utilizar seu arsenal em caso de agressão contra seu território ou contra seus aliados ou em caso de "ameaça sobre a existência do próprio Estado".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade