Publicidade

Correio Braziliense

Investigadores analisam se corpo de jornalista foi descartado próximo a Istambul

Segundo relatos da Turquia, Khashoggi foi brutalmente assassinado e desmembrado dentro do consulado por membros de um esquadrão de 15 homens, ligados ao príncipe herdeiro saudita, Mohammed Bin Salman.


postado em 19/10/2018 12:13 / atualizado em 19/10/2018 12:40

(foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP)
(foto: MOHAMMED AL-SHAIKH / AFP)

Uma autoridade turca disse nesta sexta-feira (19/10) que investigadores estão analisando a possibilidade de que os restos do jornalista saudita Jamal Khashoggi tenham sido levados a uma floresta nos arredores de Istambul ou para outra cidade, caso ele tenha sido morto dentro do consulado da Arábia Saudita em Istambul.


O funcionário afirmou que a polícia estabeleceu que dois veículos pertencentes ao consulado deixaram o prédio em 2 de outubro, o dia em que Khashoggi entrou no consulado e desapareceu.

 

Investigadores estão analisando a possibilidade de que os restos do jornalista saudita Jamal Khashoggi tenham sido levados a uma floresta nos arredores de Istambul(foto: OZAN KOSE / AFP)
Investigadores estão analisando a possibilidade de que os restos do jornalista saudita Jamal Khashoggi tenham sido levados a uma floresta nos arredores de Istambul (foto: OZAN KOSE / AFP)

Um dos veículos viajou para a Floresta de Belgrado, nas proximidades de Istambul, enquanto o outro foi para a cidade de Yalova, do outro lado do Mar de Mármara.

A autoridade falou sob a condição de anonimato, devido ao sigilo das investigações, ainda em andamento. Ainda não está claro se a polícia já fez buscas em ambas as áreas.

Segundo relatos da Turquia, Khashoggi foi brutalmente assassinado e desmembrado dentro do consulado por membros de um esquadrão de 15 homens, ligados ao príncipe herdeiro saudita, Mohammed Bin Salman.

Riad rejeitara as acusações, afirmando que são infundadas, mas ainda não forneceu explicações para o que pode ter acontecido com o jornalista, que escrevia para o Washington Post, e era crítico à ascensão do príncipe ao poder. Fonte: Associated Press

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade