Publicidade

Correio Braziliense

Caso Khashoggi não será encoberto, diz integrante do partido governista turco

Em comunicado, os sauditas imputam a morte de Khashoggi a uma "briga", mas não trazem informações sobre o estado do corpo após a morte


postado em 20/10/2018 16:05 / atualizado em 20/10/2018 16:07

(foto: Mohammed Al-Shaikh/AFP)
(foto: Mohammed Al-Shaikh/AFP)
 

 

A Turquia pretende revelar as evidências que detém sobre a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, afirmou Numan Kurtulmus, integrante do partido governista Partido Justiça e Desenvolvimento (AKP, na sigla em turco). De acordo com ele, o país não permitirá que o caso seja encoberto.

Mais de duas semanas após o sumiço do jornalista, a Arábia Saudita admitiu nesta sexta-feira, 19, que Jamal Khashoggi morreu dentro do consulado saudita em Istambul, na Turquia. Khashoggi era crítico do regime saudita e escrevia para o jornal "The Washington Post".

Em comunicado, os sauditas imputam a morte de Khashoggi a uma "briga", mas não trazem informações sobre o estado do corpo após a morte. Khashoggi desapareceu após visitar o consulado da Arábia Saudita na capital turca para tratar de documentações para seu casamento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade