Publicidade

Correio Braziliense

Pacotes suspeitos são enviados à CNN e a políticos democratas

Hillary Clinton condenou nesta quarta-feira o envio de pacotes suspeitos endereçadas a ela e a outras figuras públicas


postado em 24/10/2018 15:25 / atualizado em 24/10/2018 16:06

Também houve envio de pacotes suspeitos para residência do ex-presidente Barack Obama(foto: AFP)
Também houve envio de pacotes suspeitos para residência do ex-presidente Barack Obama (foto: AFP)
 
Nova York, Estados Unidos - O ex-presidente Barack Obama, a ex-secretária de Estado Hillary Clinton e a redação da CNN em Nova York receberam pacotes suspeitos de conter explosivos. Um caso parecido ocorreu com o governador de Nova York e com uma deputada democrata na Flórida.

O Serviço Secreto dos Estados Unidos disse nesta quarta-feira (24) que interceptou pacotes suspeitos, identificados como potenciais dispositivos explosivos, enviados para as residências do ex-presidente Barack Obama e da ex-secretária de Estado Hillary Clinton.

O pacote para Hillary Clinton, democrata que perdeu para Donald Trump a eleição presidencial de 2016, foi interceptado durante verificação de rotina, informou o Serviço Secreto em um comunicado.

O do ex-presidente Obama foi interceptado na manhã de quarta-feira. Nenhum dos pacotes chegou a seus destinatários, cujas vidas não estiveram em perigo, garantiu o Serviço Secreto.

Pouco depois, a rede de notícias norte-americana CNN anunciou ter evacuado sua redação em Nova York por causa de um pacote suspeito parecido.

A polícia de Nova York confirmou à AFP que seus policiais foram chamados para o Time Warner Center, onde fica a redação da CNN na capital financeira dos Estados Unidos, para investigar relatos de um pacote suspeito.

Os telespectadores da emissora viram ao vivo a interrupção de um programa apresentado por Poppy Harlow e Jim Sciutto, quando o alarme de evacuação soou.

A CNN continuou a transmitir de sua redação em Washington e, em seguida, os jornalistas da rede continuaram a reportar da rua, e relataram que a brigada de especializada em bombas da polícia de Nova York havia sido chamada ao local.

A rede informou que o pacote estava endereçado a John Brennan, ex-diretor da CIA que aparece com regularidade no canal e que, após críticas ao governo, foi demitido pelo próprio Trump do cargo.

Pacotes suspeitos em Nova York e Flórida

Acentuando a tensão, o governador democrata do estado de Nova York, Andrew Cuomo, informou que um pacote suspeito também foi enviado ao seu escritório. "Eu não ficaria surpreso se outros pacotes aparecessem", declarou em coletiva de imprensa em frente ao prédio da CNN.

Seu temor foi confirmado pouco depois, quando a polícia da Flórida informou que estava investigando um pacote suspeito perto do escritório da deputada democrata Debbie Wasserman Schultz.

Imagens compartilhadas no Twitter pela imprensa local mostraram uma unidade de esquadra de bombas dirigindo-se a seu prédio na cidade de Sunrise, no sul da Flórida, ao norte de Miami.

"Alerta! Estamos trabalhando na investigação de um pacote suspeito perto do Sawgrass Corporate Parkway", escreveu a polícia de Sunrise no Twitter, dando o endereço do prédio onde Wasserman Schultz tem seu escritório e que, de acordo com a imprensa local, foi evacuado.

Em contrapartida, após o gabinete em San Diego da senadora democrata Kamala Harris ser evacuado em razão da presença de caixas suspeitas, a polícia garantiu que se tratou de um alarme falso.

O escritório, localizado em um edifício onde também funciona o jornal San Diego Union-Tribune, foi evacuado "por excesso de precaução" quando alguém notou cinco caixas empilhadas do lado de fora, mas uma análise de raio X confirmou que não há ameaça, disse Kevin Wadhams, do Departamento de Polícia de San Diego, à rede local de televisão KUSI. Ninguém reivindicou até o momento a autoria do envio dos pacotes.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, denunciou "atos de terror desprezíveis", garantindo que quem for "responsável será responsabilizado em toda a extensão da lei".

O presidente Donald Trump retuitou postagem do vice-presidente, Mike Pence, dizendo "condenar as tentativas de ataques contra o ex-presidente Obama, os Clinton, CNN e os outros", ressaltando que "esses atos vergonhosos são desprezíveis e não têm lugar em nosso país". "Estou totalmente de acordo", comentou o presidente.

'Momento difícil'

Hillary Clinton agradeceu "aos homens e mulheres do Serviço Secreto que interceptaram o pacote endereçado a nós muito antes de chegar à nossa casa", antes de considerar que "é um momento preocupante, não é? E é uma época de profundas divisões, e temos que fazer tudo o que pudermos para unir nosso país".

Várias personalidades do partido Republicano também denunciaram os ataques contra seus rivais democratas, incluindo o deputado Steve Scalise, gravemente ferido em junho de 2017 quando um atirador abriu fogo durante um jogo de beisebol entre deputados republicanos em  Washington.

Já o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, condenou os atos de "terrorismo interno", considerando que, "à medida que sabemos mais detalhes sobre o caso, os americanos são mais gratos às equipes de resposta".

Há dois dias, um dispositivo explosivo foi encontrado na caixa de correio do bilionário liberal americano George Soros, alvo de grupos de direita.

Soros não estava em casa no momento e os técnicos do esquadrão antibomba desativaram o dispositivo. Uma investigação foi aberta e o caso foi entregue à Divisão Conjunta do Grupo de de Força Tarefa de Terrorismo do FBI.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade