Publicidade

Correio Braziliense

Dezenove corpos são encontrados em vala clandestina no México

Os restos encontrados correspondem a 16 homens e três mulheres, que teriam morrido há aproximadamente quatro meses


postado em 25/10/2018 19:17

As autoridades não descartam que as vítimas possam ser habitantes locais(foto: Reuters )
As autoridades não descartam que as vítimas possam ser habitantes locais (foto: Reuters )
 
México, México - As autoridades mexicanas desenterraram pelo menos 19 corpos e dois crânios em um terreno no estado de Jalisco, no oeste do país, um dos mais violentos do México, informaram autoridades locais nesta quinta-feira.

Os restos encontrados correspondem a 16 homens e três mulheres, que teriam morrido há aproximadamente quatro meses, informou a Procuradoria local.

A primeira descoberta ocorreu na última segunda-feira em um terreno em Lagos de Moreno, região localizada na fronteira com o estado de Guanajuato.

As escavações continuaram na terça e quarta-feira, quando as autoridades relataram a descoberta de 19 corpos e dois crânios.

As autoridades não descartam que as vítimas possam ser habitantes locais, já que nos últimos meses vários desaparecimentos foram registrados.

Com esta descoberta, subiu para 94 o número de cadáveres encontrados em valas clandestinas no estado de Jalisco.

Oito dias atrás, 16 corpos foram encontrados em uma vala nos arredores de Guadalajara, a capital do estado.

A violência em Guadalajara, a segunda cidade mais populosa do México, tem aumentado desde março do ano passado, depois de um racha dentro do cartel Nueva Generación, um dos mais poderosos do México, segundo as autoridades.

Um dos episódios mais chocantes de violência aconteceu no final de setembro, quando o governo local reuniu centenas de corpos não identificados em um caminhão, vítimas da crescente criminalidade.

Em maio, um autoridade pública estadual sobreviveu a um ataque em plena luz do dia no centro de Guadalajara.

Além disso, em abril, três jovens estudantes de cinema foram sequestrados, torturados e assassinados em Jalisco, provocando protestos da sociedade civil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade