Publicidade

Correio Braziliense

FBI prende suspeito ligado a envio de pacotes-bomba

Vários meios de comunicação dos Estados Unidos informaram que o suspeito foi levado sob custódia para interrogatório na Flórida


postado em 26/10/2018 12:26 / atualizado em 26/10/2018 13:42

(foto: SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
(foto: SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
 
Nova York, Estados Unidos Autoridades federais dos Estados Unidos prenderam nesta sexta-feira (26/10) um homem supostamente envolvido com a série de pacotes explosivos enviados para políticos, personalidades e ex-funcionários do governo, informou o Departamento de Justiça americano.
 

Citando uma fonte anônima, a emissora MSNBC disse que o suspeito é um homem de aproximadamente 50 anos. Uma porta-voz informou que o Departamento de Justiça divulgará mais informações sobre o caso às 14h30 (horário de Brasília).

Momentos antes da confirmação oficial, a emissora CNN informou que um homem, que teria sido localizado no sul da Flórida - região de onde teriam sido enviadas as cartas-bomba e na qual a polícia concentra a investigação -, estava sob custódia das autoridades. 

Um fonte de segurança ouvida pela Associated Press informou que o suspeito - cuja identidade não foi revelada - foi detido na região de Miami. Já a CNN, citando outra fonte, disse que a prisão ocorreu na cidade de Plantation, perto de Fort Lauderdale.

 

Mais cedo o presidente Donald Trump disse que a série de alertas de pacotes com bombas enviados a muitos de seus adversários políticos está prejudicando a campanha de seu Partido Republicano. "Os republicanos estão indo tão bem na votação antecipada, e nas pesquisas, e agora essa coisa de 'Bomba' acontece e a dinâmica diminui muito", tuitou Trump.  
 
O ator Robert De Niro, destinatário de um dos pacotes com supostos explosivos enviados esta semana nos Estados Unidos a críticos do presidente Donald Trump, pediu que os americanos votem nas legislativas de 6 de novembro. "Há algo mais poderoso do que as bombas, e isso é o seu voto", disse o astro de Hollywood de 75 anos. "As pessoas DEVEM votar", insistiu, em um breve comunicado enviado a vários meios de comunicação."

 

Doze pacotes 

 

Os inimigos políticos do presidente republicano o acusaram de incitar a violência depois que bombas artesanais foram enviadas a Barack Obama, Hillary Clinton, CNN e outras figuras democratas detestadas por simpatizantes de Trump.

 

Na manhã de quinta-feira (25/10), um pacote suspeito similar aos enviados a várias figuras democratas foi encontrado no escritório em Nova York da produtora co-fundada por Robert De Niro, um dos atores americanos mais conhecidos e crítico do presidente republicano. A polícia informou que enviou ao local uma brigada especial.
 
Na noite de quinta-feira, a polícia de Nova York mobilizou um esquadrão antibombas para investigar dois pacotes abandonados no Time Warner Center, onde ficam os escritórios da CNN em Nova York, evacuado na véspera por uma bomba caseira encontrada na sala de correspondências. A polícia emitiu posteriormente uma mensagem de que não havia risco e o local foi liberado.
 
Em Miami, também na noite desta quinta, a polícia enviou um esquadrão antibombas para um prédio do Serviço Postal para cooperar com os agentes federais "como parte da investigação em curso sobre pacotes suspeitos" encontrados em outros locais. 

Um dispositivo suspeito dirigido ao ex-vice-presidente Joe Biden foi encontrado nesta quinta em um posto dos correios em Delaware. A NBC News informou que o pacote é semelhante aos outros nove enviados. Biden, vice-presidente durante os dois mandatos de Barack Obama, é regularmente citado entre os potenciais candidatos à eleição presidencial de 2020.
 
No início da manhã desta sexta-feira (26/10) mais dois pacotes foram interceptados, um ao senador democrata Cory Booker, enquanto a CNN disse ter recebido outro endereçado ao ex-diretor de inteligência nacional, James Clapper.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade