Publicidade

Correio Braziliense

Reunião internacional para a paz no Afeganistão termina sem acordo

O encontro terminou sem que as delegações de ambas partes chegassem a um acordo sobre a forma de diálogo sem mediadores


postado em 09/11/2018 19:52

Moscou, Rússia - O governo afegão e os milicianos talibãs não conseguiram chegar a um acordo nesta sexta-feira (9) sobre negociações de paz diretas, após um dia de reunião em Moscou.

A Rússia realizou uma reunião internacional sobre o Afeganistão nesta sexta para ajudar a iniciar um diálogo direto entre Cabul e os talibãs, e buscar uma solução pacífica para o conflito afegão.

O encontro, entretanto, terminou sem que as delegações de ambas partes chegassem a um acordo sobre a forma de diálogo sem mediadores e direto.

O porta-voz dos talibãs, Mohamad Abas Stanikzai, disse a jornalistas que "esta conferência não foi sobre um diálogo direto", segundo as declarações traduzidas, citada pela agência Interfax.

Os talibãs "não reconhecem a legalidade do atual governo e por isso não teremos negociações com eles", explicou.

"Em relação à nossa principal demanda, a retirada das tropas estrangeiras, discutiremos uma solução pacífica com os americanos", acrescentou.

A reunião foi aberta pelo ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, que pediu aos participantes - incluindo uma delegação do Talibã - que não fossem "guiados por seus interesses pessoais ou coletivos, mas pelos interesses do povo afegão".

A participação nesta reunião de uma agência do governo afegã e dos talibãs é uma "contribuição importante para a criação de condições favoráveis para o lançamento de negociações diretas", disse Lavrov.

A Rússia também convidou os Estados Unidos, a Índia, o Irã, a China, o Paquistão e cinco antigas repúblicas soviéticas da Ásia Central.

Washington anunciou que um representante da embaixada dos Estados Unidos em Moscou participaria para "observar as negociações".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade