Publicidade

Correio Braziliense

Facebook rompe com a agência de relações públicas Definers Public Affair

Os principais executivos do Facebook, incluindo Zuckerberg e Sheryl Sandberg, não estavam cientes do trabalho específico que está sendo feito pela Definers, disse ao NYT uma fonte que não quis se identificar


postado em 16/11/2018 08:39 / atualizado em 16/11/2018 09:05

(foto: JOEL SAGET)
(foto: JOEL SAGET)
 

O Facebook informou na quinta-feira (15/11) que encerrou sua relação com a consultoria Definers Public Affair, sediada em Washington, que divulgava informações depreciativas sobre os críticos e concorrentes da rede social.

O anúncio veio após reportagem do New York Times, publicada na quarta-feira, que descrevia o trabalho feito pela Definers na esteira dos últimos grandes escândalos envolvendo a companhia de Mark Zuckerberg, em meio a uma turbulência generalizada na gigante das mídias sociais ao lidar com a descoberta da intromissão russa nas eleições presidenciais dos Estados Unidos e violações da privacidade de dados.

Entre outras coisas, a Definers desacreditava ativistas contrários ao Facebook, em parte ligando-os ao megainvestidor George Soros. Também tentou desviar críticas à rede social pressionando jornalistas a investigarem rivais como o Google. Soros tem sido um detrator frequente do Facebook, chamando-o de uma "ameaça" no início deste ano.

Os principais executivos do Facebook, incluindo Zuckerberg e Sheryl Sandberg, não estavam cientes do trabalho específico que está sendo feito pela Definers, disse ao NYT uma fonte que não quis se identificar.

Em longa réplica à reportagem do NYT, o Facebook afirmou que nunca escondeu seus laços com a consultoria e contestou a afirmação de que pediu à empresa que divulgasse informações falsas. "É errado sugerir que tenhamos pedido à Definers para pagar ou escrever artigos em nome do Facebook, ou comunicar qualquer coisa que não seja verdade", disse a rede social. "A relação com o Facebook era bem conhecida pela mídia - até porque em várias ocasiões enviaram convites para centenas de jornalistas sobre importantes chamadas da imprensa em nosso nome."

O conselho do Facebook também defendeu os executivos. "Como Mark e Sheryl deixaram claro ao Congresso, a empresa demorou demais para detectar a interferência da Rússia e demorou demais para agir", disse em nota o colegiado. "Como um conselho, nós os impulsionamos a avançar mais rápido. Mas sugerir que eles sabiam sobre a interferência russa e tentaram ignorá-la ou impedir investigações sobre o que aconteceu é extremamente injusto."


Origem


A Definers foi fundada por veteranos de campanhas presidenciais republicanas que se especializaram na aplicação de táticas de campanha política para relações públicas corporativas.

O Facebook inicialmente contratou a consultoria para monitorar as notícias sobre a rede social. Expandiu seu relacionamento com a empresa em outubro de 2017, quando o escrutínio do Facebook estava aumentando em relação a como os agentes russos usaram o site de mídia social para semear a discórdia antes da eleição presidencial de 2016 nos EUA. (Com agências)


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade