Publicidade

Correio Braziliense

Brasileiro é linchado e enforcado em povoado boliviano onde não há polícia

Uma testemunha não identificada disse ao jornal El Deber de Santa Cruz que 'eram dois brasileiros, um foi agarrado pelos moradores e o outro conseguiu escapar em uma caminhonete'


postado em 20/11/2018 14:52

La Paz, Bolívia - Um cidadão brasileiro não identificado foi linchado por uma multidão na praça principal da localidade boliviana de San Julián, onde não há presença policial, informou nesta terça-feira (20/11) uma fonte oficial.

O jovem brasileiro foi enforcado por uma multidão que o alcançou depois de que uma família denunciou que estava sendo vítima da cobrança de uma suposta dívida por dois homens armados dessa nacionalidade, informou Alfonso Siles, chefe da Polícia de Santa Cruz, cidade do leste do país situada a 175 km de San Julián.

"Espero que seja o último caso (de linchamento), estão agindo como pessoas primitivas", afirmou Siles, acrescentando que no ano passado a polícia se retirou de San Julián.

A saída ocorreu depois de que agentes e instalações policiais foram agredidos quando uma multidão linchou, em maio de 2017, um homem de 38 anos pelo suposto roubo de uma motocicleta.

Por enquanto, a polícia não pensa em voltar à localidade. "Fomos claros, se houver as condições mínimas de infraestrutura, voltaremos. Mas não há", apontou Siles.

Uma testemunha não identificada disse ao jornal El Deber de Santa Cruz que "eram dois brasileiros, um foi agarrado pelos moradores e o outro conseguiu escapar em uma caminhonete".

"O cidadão brasileiro capturado estava armado e alegou que estava apenas realizando uma cobrança, no entanto, sua defesa não convenceu as pessoas e por volta de meia-noite uma multidão o enforcou na praça principal", afirmou a testemunha citada pelo jornal.

Horas depois, o corpo foi retirado da praça principal por policiais da cidade vizinha de Cuatro Cañadas. Os linchamentos são frequentes na Bolívia, onde são registrados em média 30 casos por ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade