Publicidade

Correio Braziliense

Irmão do presidente de Honduras é acusado de narcotráfico nos EUA

O ex-congressista hondurenho também enfrenta acusações na Justiça americana por uso e posse de armas


postado em 26/11/2018 18:12 / atualizado em 26/11/2018 19:13

Juan Antonio Hernández, de 40 anos, é acusado de conspirar com redes do crime organizado trasnacional no México e na Colômbia(foto: AFP)
Juan Antonio Hernández, de 40 anos, é acusado de conspirar com redes do crime organizado trasnacional no México e na Colômbia (foto: AFP)
 
Nova York, Estados Unidos - Juan Antonio Hernández, irmão do presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, foi acusado de traficar toneladas de cocaína para os Estados Unidos, informou nesta segunda-feira (26) o Departamento de Justiça americano.

O ex-congressista hondurenho, que foi preso na sexta-feira em Miami suspeito de ter ligações com o narcotráfico, também enfrenta acusações na Justiça americana por uso e posse de armas, assim como por declarações falsas a agentes federais, assinalou a Promotoria do distrito sul de Nova York em um comunicado.

"Tony Hernández esteve envolvido em todas as etapas do tráfico por Honduras de cargas de várias toneladas de cocaína que eram destinadas aos Estados Unidos", assinalou o promotor federal em Manhattan Geoffrey Berman, citado no texto.

Berman disse que Hernández supostamente organizou e garantiu a segurança dos envios de cocaína, subornou funcionários para obter informações sigilosas para proteger os carregamentos e cobrou grandes propinas a importantes narcotraficantes.

Hernández, de 40 anos, é acusado de conspirar com redes do crime organizado trasnacional no México e na Colômbia para importar grandes quantidades de cocaína aos Estados Unidos de 2004 a 2016.

Segundo a acusação, também esteve envolvido em processar, receber, transportar e distribuir múltiplos carregamentos de cocaína que chegavam de avião, lanchas e, pelo menos uma vez, de submarino.

Hernández devia comparecer diante do juiz federal Jonathan Goodman em Miami nesta segunda-feira. 

Visivelmente afetado, o presidente Juan Orlando Hernández declarou posteriormente a jornalistas que era um momento "triste e difícil para a família".

"É um irmão, um parente, não fomos criados assim, fomos criados para respeitar os outros, mas também não posso negar que é um golpe forte para a família, é triste, é difícil, não desejamos isso a ninguém", destacou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade