Publicidade

Correio Braziliense

Trump defende políticas de imigração na fronteira com o México

Quanto às relações com o México, Trump comentou que os EUA têm se dado "muito bem" com os mexicanos no âmbito comercial, mas ressaltou que não negociaria com eles caso as relações se deteriorassem


postado em 27/11/2018 08:32 / atualizado em 27/11/2018 08:44

(foto: Jim WATSON / AFP)
(foto: Jim WATSON / AFP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez novos comentários contrários aos imigrantes que tentam entrar no país por meio da fronteira com o México em Tijuana e afirmou na noite desta segunda-feira (26/11) que é necessário financiamento para a construção total de um muro entre os dois países, a fim de evitar novas caravanas de imigrantes. "As pessoas concordam com nossas políticas quando veem o que está acontecendo na fronteira", disse.


Em comentários realizados em mesa de debates antes de um comício no Mississippi, Trump justificou o uso de gás lacrimogêneo pela polícia americana devido à violência de alguns imigrantes que tentaram entrar nos EUA. "Alguns deles foram bastante violentos com nossos policiais ao arremessarem pedras e outros objetos contra eles. Sinceramente, não queremos essas pessoas na nossa sociedade, convivendo conosco", disse o republicano.

Questionado sobre as mulheres com crianças que foram expostas ao gás, o presidente minimizou a questão e disse que se trata de uma fórmula "menos efetiva" e mais "segura" do gás. Para ele, alguns dos atingidos pela substância haviam raptado crianças, e não eram seus verdadeiros pais. "Eles raptam as crianças para melhorar seu status para entrar no nosso país", afirmou.

Quanto às relações com o México, Trump comentou que os EUA têm se dado "muito bem" com os mexicanos no âmbito comercial, mas ressaltou que não negociaria com eles caso as relações se deteriorassem. O presidente também indicou que a fronteira entre os dois países poderia ser fechada de forma definitiva caso a violência aumentasse e enfatizou que o México deveria levar os imigrantes de volta a seus países de origem, citando Honduras, El Salvador e Guatemala.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade