Publicidade

Correio Braziliense

ONU denuncia que seca tem levado afegãos a vender seus filhos

Pelo menos 161 crianças, incluindo seis meninos, foram "vendidos" durante um período de quatro meses nas províncias afegãs de Herat e Badghis


postado em 27/11/2018 15:24

Presentes em Genebra para a Conferência sobre o Afeganistão, membros da sociedade civil afegã expressaram consternação com o fenômeno das meninas
Presentes em Genebra para a Conferência sobre o Afeganistão, membros da sociedade civil afegã expressaram consternação com o fenômeno das meninas "vendidas" (foto: AFP)
 
Genebra, Suíça - Enquanto o Afeganistão atravessa a pior seca em décadas, com milhões de afegãos em risco de fome, alguns "vendem" seus filhos para pagar dívidas ou comprar comida, alertou a ONU nesta terça-feira.

Pelo menos 161 crianças, incluindo seis meninos, foram "vendidos" durante um período de quatro meses nas províncias afegãs de Herat e Badghis, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

Essas crianças têm entre um mês e dezesseis anos de idade, disse uma porta-voz da UNICEF, Alison Parker, durante uma coletiva de imprensa em Genebra. Alguns são apenas bebês, mas já estão noivos, detalhou.

Falando à margem de uma conferência internacional sobre os esforços de reforma do governo afegão, que acontece até quarta-feira na sede da ONU em Genebra, Parker afirmou que as crianças que foram interrogadas entre julho e outubro foram "prometidas, casadas %u200B%u200Bou vendidas porque seus pais estavam endividados".

"Antes da seca, mais de 80% das famílias já estavam endividadas", disse ela, acrescentando que muitas pessoas que esperavam pagar suas dívidas após a colheita não conseguiram.

Parker explicou que "a prática do casamento infantil é uma espécie de norma social enraizada no Afeganistão", com 35% da população observando essa prática em todo o país e até 80% em alguns lugares.

Presentes em Genebra para a Conferência sobre o Afeganistão, membros da sociedade civil afegã expressaram consternação com o fenômeno das meninas "vendidas".

"É muito, muito chocante", declarou Suraya Pakzad, que dirige a organização Voice of Women no Afeganistão. "As pessoas precisam desesperadamente de ajuda, especialmente comida", acrescentou ela.

Segundo a ONU, pelo menos três milhões de afegãos estão em situação de absoluta emergência alimentar e correm risco de fome em consequência da seca devido à falta de chuva e neve no inverno passado.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) apontou em um comunicado no sábado que realizou sua primeira "ponte aérea" no oeste do Afeganistão no sábado para entregar milhares de barracas para pessoas deslocadas pelo conflito e seca.

O ACNUR planeja realizar um total de 12 voos a partir do Paquistão. A seca e o conflito desalojaram mais de um quarto de milhão de afegãos nesta região desde abril, segundo o ACNUR.

Atualmente, cerca de 220 mil famílias vivem em abrigos improvisados %u200B%u200Bnas províncias de Herat, Badghis e Ghor, e com a aproximação do inverno, o ACNUR constatou um aumento no número de crianças mortas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade