Publicidade

Correio Braziliense

Príncipe herdeiro da Arábia Saudita chega a Buenos Aires para cúpula do G20

A Arábia Saudita enfrenta duras críticas internacionais pelo assassinato de Khashoggi, que era colunista do jornal Washington Post e crítico de Riad


postado em 28/11/2018 10:15

(foto: FETHI BELAID / AFP)
(foto: FETHI BELAID / AFP)
 
Buenos Aires, Argentina - O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, desembarcou nesta quarta-feira (28/11) em Buenos Aires para participar na reunião do G20, na qual também é aguardado o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, com quem poderia se reunir à margem do encontro.

Salman foi recebido no aeroporto de Buenos Aires pelo chanceler argentino Jorge Faurie, informou a imprensa. O ministério saudita das Relações Exteriores publicou um vídeo de sua chegada. É possível que Salman se reúna em Buenos Aires com Erdogan, no que seria o primeiro encontro entre os dois desde o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul em 2 de outubro.

A chegada do príncipe saudita acontece no mesmo dia em que a justiça argentina deve avaliar se abre uma investigação contra Salman por uma denúncia apresentada pelo grupo de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch pelo assassinato de Khashoggi e por crimes de guerra no Iêmen.

A denúncia contra o príncipe herdeiro foi apresentada pelo na segunda-feira pelo diretor executivo da HRW, Kenneth Roth, segundo um comunicado da organização. "A presença do príncipe herdeiro na reunião do G20 em Buenos Aires poderia transformar os tribunais argentinos em uma via de reparação para as vítimas de abusos que não podem buscar justiça no Iêmen ou na Arábia Saudita", considerou Roth.

A HRW explicou que levou em consideração que a Constituição argentina reconhece a jurisdição universal para os crimes contra a humanidade, ou seja, que podem ser investigados fora do local em que aconteceram e da nacionalidade das vítimas e dos supostos criminosos.

A Arábia Saudita enfrenta duras críticas internacionais pelo assassinato de Khashoggi, que era colunista do jornal Washington Post e crítico de Riad.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade