Publicidade

Correio Braziliense

China exige fim das atividades de pesquisa em caso de bebês modificados

Um funcionário do Ministério da Ciência e Tecnologia disse em entrevista à rede estatal de televisão CCTV que seu ministério "se opõe fortemente" a esses experimentos reivindicados pelo pesquisador chinês He Jiankui, um anúncio que causou um grande choque na comunidade cientista do mundo


postado em 29/11/2018 10:06 / atualizado em 29/11/2018 11:32

(foto: ANTHONY WALLACE / AFP)
(foto: ANTHONY WALLACE / AFP)
 
Pequim, China - A China exigiu nesta quinta-feira (29/11) a suspensão das atividades científicas de pesquisadores envolvidos no suposto nascimento dos primeiros "bebês geneticamente modificados", de acordo com uma mídia estatal. 

Um funcionário do Ministério da Ciência e Tecnologia disse em entrevista à rede estatal de televisão CCTV que seu ministério "se opõe fortemente" a esses experimentos reivindicados pelo pesquisador chinês He Jiankui, um anúncio que causou um grande choque na comunidade cientista do mundo.
 
O vice-ministro de Ciências E Tecnologias, Xu Nanping disse em entrevista à rede estatal de televisão CCTV que seu ministério "se opõe fortemente" a esses experimentos reivindicados pelo pesquisador chinês He Jiankui, um anúncio que causou um grande choque na comunidade. cientista do mundo. "Pedimos que a agência suspenda as atividades científicas das pessoas envolvidas", disse ele.

O pesquisador chinês He Jiankui anunciou em um vídeo divulgado no YouTube o nascimento de gêmeas cujo DNA foi alterado para torná-las resistentes ao vírus da aids.  O anúncio causou uma grande comoção dentro da comunidade científica internacional.  A Comissão Nacional de Saúde chinesa está atualmente investigando as alegações do pesquisador. 

Esta experiência constitui "uma grave violação das leis, regulamentos e normas éticas" em vigor na China, se os fatos publicados pela imprensa forem verdade, declarou Zeng Yixin, vice-diretor da comissão, em entrevista transmitida pela CCTV. 

Em um comunicado, um grupo de 122 cientistas chineses lamentou nos últimos dias a "loucura" do cientista. 

Dada a controvérsia gerada pelas investigações, que não foram comprovados de forma independente, o autor da obra, anunciou na quarta-feira que foi dada uma "pausa" em seus testes clínicos.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade