Publicidade

Correio Braziliense

ONU denuncia estupro de 125 mulheres no Sudão do Sul

A maioria foi atacada quando tentava chegar aos centros de ajuda alimentar de urgência e obter as rações fornecidas pelas agências humanitárias internacionais


postado em 03/12/2018 12:19 / atualizado em 03/12/2018 12:36

(foto: Siegfried Modola/ Divulgação Médicos Sem Fronteira)
(foto: Siegfried Modola/ Divulgação Médicos Sem Fronteira)
 

A missão da Organização das Nações Unidas no Sudão do Sul denunciou neste domingo (2/12) que cerca de 125 mulheres e meninas foram estupradas nos últimos dias em uma região controlada pelas tropas do governo no Estado de Unity, no norte do país. Os estupros ocorreram ao longo de dez dias e tiveram como alvo mulheres que viajavam a pé para a cidade de Bentiu.

 

A maioria foi atacada quando tentava chegar aos centros de ajuda alimentar de urgência e obter as rações fornecidas pelas agências humanitárias internacionais.  Em alguns casos, as vítimas foram estupradas, em outros, "açoitadas", ou foram "espancadas com bastões ou coronhadas". Também tomaram seus poucos bens, como suas roupas, sapatos, dinheiro e cartilhas de alimentação disse a ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF).

 

O Sudão do Sul entrou em guerra civil em dezembro de 2013 em Juba, quando o presidente Salva Kiir, da etnia dinka, acusou Riek Machar, seu ex-vice-presidente, da etnia nuer, de preparar um golpe de Estado. 

 

O conflito, marcado por atrocidades de caráter étnico e estupros como arma de guerra, deixou mais de 380.000 mortos segundo um recente estudo, e obrigou um terço da população a fugir.

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade