Publicidade

Correio Braziliense

Justiça do Chile condena 53 pessoas por assassinatos na ditadura

As penas dos militares, todos da Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta da ditadura chilena, entre 1973 e 1977, oscilaram entre três e 20 anos de prisão


postado em 04/12/2018 09:32 / atualizado em 04/12/2018 10:03

Pessoas colocam flores nos túmulos de pessoas mortas no golpe, durante a comemoração do 44º aniversário do golpe militar liderado pelo general Augusto Pinochet (foto: AFP / CLAUDIO REYES)
Pessoas colocam flores nos túmulos de pessoas mortas no golpe, durante a comemoração do 44º aniversário do golpe militar liderado pelo general Augusto Pinochet (foto: AFP / CLAUDIO REYES)

A Justiça do Chile condenou nesta segunda-feira (3/12) 53 agentes repressores da ditadura de Augusto Pinochet por responsabilidade na execução de nove membros do Partido Comunista em 1976, o que representa uma das maiores sentenças no país relacionadas a violações aos direitos humanos.

As penas dos militares, todos da Direção de Inteligência Nacional (Dina), a polícia secreta da ditadura chilena, entre 1973 e 1977, oscilaram entre três e 20 anos de prisão. Entre os condenados estão o brigadeiro Miguel Krassnoff Martchenko, que, com essa sentença, já soma 700 anos de prisão por violações dos direitos humanos.

Durante a ditadura de Pinochet, de acordo com números oficiais, cerca de 3,2 mil chilenos morreram nas mãos de agentes do Estado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade