Publicidade

Correio Braziliense

Funcionários da Latam no Chile entram em greve por melhores salários

Os manifestantes exigem "igualdade de condições de trabalho, como melhores turnos e igualdade salarial" com outros sindicatos da empresa


postado em 07/12/2018 15:36

Em um comunicado, a empresa informou que a paralisação não causará grandes alterações em suas operações(foto: AFP)
Em um comunicado, a empresa informou que a paralisação não causará grandes alterações em suas operações (foto: AFP)
 
Santiago, Chile - Cerca de 300 funcionários reunidos em um sindicato da companhia aérea Latam, a maior da América Latina, iniciaram nesta sexta-feira (7) uma paralisação por tempo indeterminado, com manifestações no aeroporto de Santiago, exigindo melhorias salariais e nas condições de trabalho.

Os funcionários do Sindicato Interempresa Nacional (Sinlatam), que reúne 40% do total dos operários da companhia, fizeram protestos e penduraram uma enorme faixa para anunciar a greve iniciada nesta madrugada nos corredores do terminal aéreo da capital chilena.

Os manifestantes exigem "igualdade de condições de trabalho, como melhores turnos e igualdade salarial" com outros sindicatos da empresa, disse o presidente do sindicato, Sebastián Lobos, à imprensa.

Lobos acusou a Latam de "querer terceirizar todos os serviços" oferecidos nos aeroportos, o que colocaria em risco as fontes de trabalho do pessoal da companhia.

O sindicato reúne operadores da Latam que trabalham em áreas como guichês e salão VIP.

Em um comunicado, a empresa informou que a paralisação não causará grandes alterações em suas operações, motivo pelo qual decidiu não mudar seus itinerários de voos e pediu aos passageiros que se apresentem no aeroporto com até três horas de antecipação "diante de possíveis demoras nos processos de check-in e embarque".

A Latam nasceu em 2015, após a fusão da chilena LAN e da brasileira TAM, e opera para cerca de 140 destinos em 25 países.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade