Publicidade

Correio Braziliense

Centenas de pessoas prestam homenagens à vítimas de atentado de Estrasburgo

Atentado de terça-feira 911/12) deixou 4 mortos e 12 feridos


postado em 16/12/2018 11:31 / atualizado em 16/12/2018 11:44

Balões, flores e bichos de pelúcia foram levados ao local do atentado(foto: Sebastien Bozon/AFP )
Balões, flores e bichos de pelúcia foram levados ao local do atentado (foto: Sebastien Bozon/AFP )

 
Mais de mil pessoas se reuniram, neste domingo (16/12), em Estrasburgo (leste da França) para homenagear as vítimas do ataque da última terça-feira (11/12).

"Viemos aqui para mostrar que não nos ajoelharemos, que seguimos vivendo, embora seja difícil e doloroso", explicou Jonathan, morador do bairro de Neudorf, onde foi morto pela polícia o autor do ataque, Chérif Chekatt.

Muitas das pessoas reunidas ao pé da gigantesca árvore de Natal na praça Kleber, emblemática com o seu mercado de Natal, estavam emocionadas.

O ataque causou quatro mortos e 11 feridos, vários deles graves, além de uma pessoa em estado de morte encefálica.

No meio da praça, aos pés da estátua do general Kléber, velas, flores e mensagens foram deixadas para as vítimas.

Fechado na quarta e quinta-feira, o mercado de Natal de Estrasburgo, que atrai milhares de turistas todos os anos, reabriu na sexta-feira.

A multidão, embora menos compacta do que o habitual, voltou às barracas de madeira vendendo vinho quente, doces e decorações de Natal.

Tanto o presidente francês Emmanuel Macron, como presidente da Assembleia Nacional, Richard Ferrand, vieram a Estrasburgo esta semana para prestar homenagem às vítimas.

Na terça-feira à noite, Chérif Chekatt entrou no centro histórico de Estrasburgo, armado com uma pistola e uma faca, e atacou vários pedestres antes de fugir.

Dois dias depois, ele foi morto por policiais na periferia de Estrasburgo, onde teria crescido.

Sete pessoas próximas de Chekatt - incluindo quatro membros de sua família - foram detidas após o ataque. Seis delas foram libertadas por "falta de elementos incriminatórios" de acordo com a promotoria.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade