Publicidade

Correio Braziliense

Jornalista alemão do semanário Der Spiegel falsificava reportagens

O semanário Der Spiegel revelou que um de seus jornalistas mentiu em reportagens publicadas anos atrás


postado em 19/12/2018 15:55

Pelo menos 14 reportagens do premiado jornalista Claas Relotius continham mentiras(foto: Reprodução/Twitter)
Pelo menos 14 reportagens do premiado jornalista Claas Relotius continham mentiras (foto: Reprodução/Twitter)
 
Berlim, Alemanha - O semanário alemão Der Spiegel revelou nesta quarta-feira (19) que um de seus jornalistas, premiado em várias ocasiões, mentiu em reportagens publicadas anos atrás.

Claas Relotius, de 33 anos, recebeu no começo de dezembro o prêmio de Repórter do Ano por uma matéria sobre o caso dos jovens sírios que originou a revolta na Síria em 2011, que desembocou na guerra civil.

Relotius apresentou no domingo sua demissão como repórter da revista, uma das principais publicações da Alemanha.

Acusado de falsificar suas reportagens por outro jornalista que trabalhou com ele na fronteira entre México e Estados Unidos, o repórter alemão admitiu que tinha inventado citações e cenas nas quais não estava presente.

Pelo menos 14 reportagens suas continham mentiras. Uma delas era sobre um iemenita que passou 14 anos preso em Guantánamo sem justificativa, e outra sobre Colin Kaepernick, jogador de futebol americano que protestou contra discriminações raciais.

Neste artigo havia informações falsas "em grande escala", admitiu a redação do Der Spiegel, que afirmou estar em estado de choque. O semanário tem um serviço de verificação interna para comprovar o que seus repórteres escrevem.

"Estou doente e preciso de ajuda", afirmou Relotius no artigo do semanário.

O jornalista, que já colaborava com a Der Spiegel e outras publicações, fazia parte da redação há um ano e meio. 

Segundo a Der Spiegel, cerca de 60 artigos seus foram publicados na edição em papel e na digital da revista, cuja redação principal fica em Hamburgo, no norte da Alemanha.

O semanário vai iniciar uma investigação interna para compreender como tantas informações falsas puderam ser publicadas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade