Publicidade

Correio Braziliense

EUA recuam no Oriente Médio e abrem caminho para Rússia

Na quarta-feira (19/12), o presidente americano ordenou a retirada das tropas americanas mobilizadas na Síria, estimando ter vencido o grupo extremista Estado Islâmico (EI)


postado em 20/12/2018 18:06

A saída dos Estados Unidos fará da Rússia a potência global proeminente no conflito(foto: AFP)
A saída dos Estados Unidos fará da Rússia a potência global proeminente no conflito (foto: AFP)
 
Paris, França - Donald Trump defendeu nesta quinta-feira a retirada das tropas americanas da Síria, afirmando que os Estados Unidos não têm a intenção de ser a "polícia do Oriente Médio", deixando o caminho livre para a Rússia.

"Os Estados Unidos querem ser a polícia do Oriente Médio em troca de nada e investindo vidas valiosas e bilhões de dólares? Queremos ficar lá para sempre? Chegou a hora de deixar que outros lutem finalmente...", tuitou Trump.

A saída dos Estados Unidos fará da Rússia, que utiliza seu poder aéreo para apoiar o presidente sírio, Bashar al Assad, a potência global proeminente no conflito.

A Rússia considerou "justa" a decisão: "Donald tem razão, estou de acordo com ele", declarou sobre a saída dos soldados americanos da Síria.

França e Reino Unido, aliados dos Estados Unidos na luta contra o grupo Estado Islâmico, reagiram energicamente à decisão de Trump, insistindo que a organização extremista está longe de ser derrotada e que a luta "continua".

"A coalizão internacional contra o Daesh (acrônimo em árabe do EI) fez enormes progressos (...) Mas resta muito a ser feito e não podemos perder de vista a ameaça que supõe", indicou a diplomacia britânica em um comunicado.

"O Daesh não foi varrido do mapa, tampouco as suas raízes. Temos que vencer militarmente e de forma definitiva os últimos redutos desta organização terrorista", disse, por sua vez, a ministra francesa do Exército, Florence Parly.

"O EI retrocede mas permanece a ameaça", advertiu o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas.

Na quarta-feira, Trump surpreendeu seus aliados afirmando que é hora de os soldados americanos na Síria "voltarem para casa". "Vencemos o EI (...) Recuperamos o território e agora é hora de nossas tropas voltarem para casa", escreveu no Twitter.

Atualmente há 2.000 soldados americanos no norte da Síria, essencialmente forças especiais que lutam contra o EI e treinam as forças locais nas zonas retomadas dos extremistas.

Turquia e Irã, dois atores-chave na Síria, falaram nesta quinta-feira sobre o potencial impacto desta retirada durante uma reunião em Ancara de seus presidentes, Recep Tayyip Erdogan e Hasan Rohani.
 
 
Oportunidade para o EI?
 
Desde 2014 e de sua ascensão, o EI perdeu a maior parte do seu "califado" autoproclamado pelas ofensivas sucessivas.

Em 14 de dezembro, o EI foi expulso de Hajin, na fronteira com o Iraque, por uma força dominada pelos curdos com o apoio de Washington.

Mas a organização mantém alguns redutos e continua cometendo atentados nos países da região e no exterior.

Os curdos sírios temem que a retirada dos Estados Unidos permita a reconstrução do EI. "Terá um impacto negativo na campanha antiterrorista", declararam as Forças Democráticas Sírias (FDS), a aliança curdo-árabe na linha de frente da luta contra o EI.

As FDS também anunciaram a sua intenção de continuar a ofensiva contra o EI no leste da Síria apesar da decisão de Washington. "A batalha (no reduto) de Hajin continua por enquanto", disse à AFP o porta-voz das FDS.

A milícia curda YPG, o principal componente das FDS, mas que enfrenta a Turquia, está sob ameaça de uma ofensiva turca que lhe obrigaria a abandonar a luta contra o EI.

França e Reino Unido declararam que continuarão comprometidos na coalizão contra o EI sob direção americana, em particular em sua campanha de bombardeios aéreos. 

"Por enquanto, naturalmente, continuamos na Síria", afirmou a ministra francesa de Assuntos Europeus, Nathalie Loiseau.

A Alemanha, por sua vez, assegurou que a retirada poderia prejudicar a luta contra o EI. "O EI retrocede, mas a ameaça não acabou", disse o ministro das Relações Exteriores, Heiko Maas.

Uma retirada dos Estados Unidos - cujo calendário ainda é desconhecido - deixaria o campo livre às forças que têm o apoio da Rússia e do Irã, de um lado, e da Turquia, do outro.

Junto com a Rússia, o Irã é um aliado do regime de Damasco, enquanto a Turquia apoia uma parte dos rebeldes que lutam contra o presidente sírio, Bashar al-Assad.

Trump já havia anunciado durante a sua campanha eleitoral que considera a presença dos Estados Unidos no Oriente Médio um gasto enorme e pede a outros países, particularmente os do Golfo, que assumam seu papel.

No entanto, vários membros de sua administração são favoráveis à manutenção de uma presença. "Os generais do presidente não têm ideia de onde essa decisão veio", disse o senador conservador Ben Sasse em um comunicado. 

Na semana passada, o emissário dos Estados Unidos para a coalizão internacional contra os extremistas, Brett McGurk, afirmou que os americanos ainda devem ficar na Síria por um tempo. 

Em várias ocasiões, o secretário da Defesa americana, Jim Mattis, alertou para o risco de uma saída precipitada da Síria que poderia "deixar um vazio que pode ser aproveitado pelo regime de Assad ou seus aliados".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade