Publicidade

Correio Braziliense

Procuradores que investigavam corrupção na Odebrech são afastados no Peru

A justificativa para a decisão foi ter perdido a confiança na equipe


postado em 01/01/2019 09:06

O procurador-geral do Peru, Pedro Gonzalo Chavarry, afastou nesta segunda-feira (1/1/2019) os dois principais procuradores que investigavam atos de corrupção da construtora Odebrecht e investigavam quatro ex-presidentes e a líder da oposição, Keiko Fujimori.

"Achei necessário anular a nomeação de Rafael Vela e José Domingo Pérez", anunciou Chavarry, inesperadamente, na noite desta segunda-feira, afirmando ter perdido a confiança na equipe por "violar o princípio da reserva de informações" do processo.

Chavarry argumentou que, por esses motivos, "decidiu reformular a equipe especial de promotores que deve dirigir e investigar os casos", ligados ao escândalo da Odebrecht.

Em substituição de Vela, nomeou o promotor Frank Almanza como coordenador da Equipe Especial, enquanto o promotor Marcial Paúcar ocupará o cargo de José Domingo Pérez.

A demissão dos dois principais procuradores do caso da Odebrecht acontece uma semana depois que o procurador José Domingo Perez pediu para denunciar o procurador-geral Chávarry por encobrir e obstruir investigações contra Keiko Fujimori.

A medida provocou reações imediatas nas redes sociais, onde grupos de direitos humanos lançaram chamadas para partir hoje à noite marchar em apoio aos procuradores demitidos.

A equipe que dirigida por Vela está encarregada da investigação dos ex-presidentes Alejandro Toledo (2001-2006), que fugiu para os Estados Unidos e agora enfrenta um pedido de extradição; Ollanta Humala (2011-2016), que ficou preso por nove meses com sua esposa Nadine; Alan García (1985-1990, 2006-2011), que pediu asilo na Embaixada do Uruguai e teve o pedido negado; e Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018), que renunciou em março, alvo de denúncias de corrupção.

A líder da formação de oposição, Keiko Fujimori, que cumpre pena de prisão de 36 meses acusada de receber propinas da construtora brasileira Odebrecht em sua campanha de 2011, também está sendo investigada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade