Publicidade

Correio Braziliense

Vítimas de casamentos forçados são obrigadas a pagar custos da repatriação

Nos últimos dois anos, o Ministério emprestou 7.765 libras esterlinas (cerca de 9.840 dólares) para pelo menos oito vítimas que não podiam pagar a repatriação


postado em 02/01/2019 09:30

Londres, Reino Unido - As britânicas enviadas por suas famílias para contraírem casamentos forçados no exterior têm de reembolsar ao Ministério britânico das Relações Exteriores os gastos ligados à repatriação - revelou uma investigação do jornal "The Times" publicada nesta quarta-feira (2/1).

As vítimas que pedem ajuda a este Ministério "têm que reunir centenas de libras para pagar por seu voo de retorno, alimentação e alojamento", informou o jornal britânico.

As jovens que não podem pagar esta soma "devem contrair empréstimos de emergência junto ao Foreign Office antes de embarcar no avião, e seus passaportes são confiscados até o reembolso" desses empréstimos, relatou o jornal.

O Foreign Office britânico permitiu o repatriamento de 27 vítimas de casamentos forçados, em 2017, e 55, em 2016, de acordo com dados oficiais fornecidos ao "Times".

Nos últimos dois anos, o Ministério emprestou 7.765 libras esterlinas (cerca de 9.840 dólares) para pelo menos oito vítimas que não podiam pagar a repatriação. Essas mulheres reembolsaram 3.000 libras, mas ainda devem mais de 4.500 libras.

Uma das vítimas, de 24 anos, disse que estava "endividada", vivendo em um alojamento tipo hostel e temia acabar na rua. "Não posso pedir ajuda à minha família por causa do que me fizeram passar", disse ela ao "Times".

Já o Ministério das Relações Exteriores diz que tem a obrigação de recuperar os montantes gastos para repatriar as vítimas, porque se trata de recursos públicos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade