Publicidade

Correio Braziliense

Maduro pede cúpula de presidentes da América Latina após onda de rejeição

A OEA aprovou nesta quinta-feira uma resolução declarando o governante socialista 'ilegítimo'


postado em 10/01/2019 18:27

(foto: Yuri Cortez/AFP)
(foto: Yuri Cortez/AFP)

Caracas, Venezuela - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs uma cúpula de líderes da América Latina e do Caribe, ao ser empossado para um segundo mandato (2019-2025) em meio a uma onda de rejeição internacional.

"Eu propus em várias ocasiões a convocação desta cúpula para discutir com uma agenda aberta todas as questões a serem discutidas, face a face (...) Ratifico hoje a minha proposta, lanço o desafio!", clamou Maduro em seu discurso perante o Supremo Tribunal de Justiça (TSJ).

"Quero ver o rosto de Iván Duque (presidente colombiano e crítico de Maduro) e vê-lo falar sobre a Venezuela (...) acho que eles têm medo de nós", acrescentou, desafiador.

Coincidindo com o início do novo mandato, a Organização dos Estados Americanos (OEA) aprovou nesta quinta-feira uma resolução declarando o governante socialista "ilegítimo", enquanto o Paraguai anunciou a ruptura das relações com a Venezuela.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, anunciou que os Estados Unidos vão aumentar sua "pressão sobre o regime corrupto" na Venezuela.

Ao pedir "que se escute a Venezuela" para "resolver esta situação", Maduro reiterou suas denúncias habituais sobre uma onda de "intolerância" entre os governos de direita que se impuseram na região.

O presidente acusou a oposição venezuelana, chamando-a de "fascista", de "infectar" a "direita latino-americana e caribenha".

"Vamos ver o caso do Brasil e o surgimento de um fascista como o presidente Jair Bolsonaro", declarou.

Maduro, que em várias ocasiões denunciou os planos de Washington de derrubá-lo ou mesmo de assassiná-lo, disse que os Estados Unidos estão promovendo uma "guerra mundial" contra a Venezuela com o apoio de governos aliados no hemisfério. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade