Publicidade

Correio Braziliense

Companhia de software Kaspersky ajudou NSA a descobrir vazamento

A descoberta foi considerada o maior vazamento de informações confidenciais na história dos Estados Unidos


postado em 10/01/2019 19:16

(foto: Kirill Kurdryavtsev / AFP)
(foto: Kirill Kurdryavtsev / AFP)
Washington, Estados Unidos  - A empresa de segurança informática Kaspersky Labs, cujo software foi proibido dentro do governo americano em 2017, ajudou um ano antes a agência de espionagem NSA a descobrir uma das maiores falhas de segurança de sua história, informaram nesta quinta-feira (10/1) meios locais.

Os meios Politico e The Washington Post indicaram que o fabricante de produtos antimalware com sede em Moscou disse à Agência Nacional de Segurança (NSA) que um de seus prestadores de serviço, Harold Martin, o havia contatado através de mensagens criptografadas no Twitter.

As mensagens chegaram a Kaspersky pouco antes de que um grupo de hackers divulgou na internet uma série de ferramentas utilizadas pela agência de inteligência para espionar comunicações e computadores de governos e autoridades estrangeiras.

Depois de que os hackers publicaram a informações, os investigadores da Kaspersky consideraram que havia uma conexão com as mensagens de Martin e comunicaram isso à NSA. Semanas depois, em agosto de 2016, agentes federais prenderam o prestador de serviços e descobriram que ele havia acumulado em sua casa grande quantidade de informações confidenciais da NSA, códigos e programas informáticos durante mais de duas décadas. A descoberta foi considerada o maior vazamento de informações confidenciais na história dos Estados Unidos.

Segundo os meios, as mensagens de Twitter foram utilizadas para justificar a ordem emitida para que os investigadores fizessem buscas na casa de Martin. Meses depois, a NSA decidiu que Kaspersky pode ter contribuído com outro vazamento de suas ferramentas de hacking, e em setembro de 2017 proibiu oficialmente o uso de seu software em computadores envolvidos em operações do governo.

Autoridades dos serviços secretos americanos, entre eles o chefe da NSA, Michael Rogers, sugeriram que Kaspersky tinha estreitos vínculos com a inteligência russa. A companhia nega a acusação, que representou um duro golpe nos negócios da Kaspersky, que durante duas décadas conseguiu que seu antivírus fosse instalado em centenas de milhões de computadores no mundo todo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade