Publicidade

Correio Braziliense

Bolívia pede diálogo latino-americano ao assumir presidência da Celac

"Pedimos aos países-membros que o diálogo constante seja nosso melhor instrumento de trabalho e que as palavras nunca acabem, porque o diálogo será o único mecanismo para construir e avançar na solução das divergências", afirmou o chefe da diplomacia boliviana


postado em 14/01/2019 19:57

(foto: Marvin Recinos / AFP)
(foto: Marvin Recinos / AFP)
San Salvador, El Salvador - O chanceler boliviano, Diego Pary, pediu um maior diálogo na região ao receber, nesta segunda-feira a presidência rotativa da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) das mãos de El Salvador, que passou dois anos à frente do organismo. Pary prometeu continuar o processo integrador latino-americano "de acordo com os tempos e desafios atuais", em um discurso feito na sede da Chancelaria panamenha.

"Pedimos aos países-membros que o diálogo constante seja nosso melhor instrumento de trabalho e que as palavras nunca acabem, porque o diálogo será o único mecanismo para construir e avançar na solução das divergências", afirmou o chefe da diplomacia boliviana.

A Celac reúne 33 países do continente e do Caribe, que somam 622 milhões de habitantes. Compareceram ao ato de passagem da presidência os chanceleres Miguel Vargas (República Dominicana), Pary (Bolívia), Carlos Castaneda (El Salvador) e o de San Cristóvão e Neves, representado por Verna Mills, embaixadora de seu país em Cuba.

El Salvador passou excepcionalmente 24 meses à frente da Celac, e durante sua presidência não foi celebrada a reunião anual de governantes do bloco, que mostrou fissuras acerca da situação da Venezuela. Antes, a presidência mudava anualmente e o país a cargo era o organizador da cúpula anual do bloco.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade