Publicidade

Correio Braziliense

Hondurenhos preparam nova caravana migratória para os Estados Unidos

Segundo o presidente americano, Donald Trump, será a maior caravana de todas


postado em 15/01/2019 11:16

(foto: Orlando Sierra/AFP)
(foto: Orlando Sierra/AFP)

San Pedro Sula, Honduras - Dezenas de hondurenhos começaram a se reunir, nessa segunda-feira (14/1), para partir na terça em uma nova caravana em direção aos Estados Unidos, que segundo o presidente americano, Donald Trump, será a maior de todas.

"Eu vou porque não se pode fazer nada aqui (...). Estamos buscando o sonho americano", disse à AFP José Ramírez, de 17 anos, na central metropolitana de transportes de San Pedro Sula, cidade 180 km ao norte de Tegucigalpa.

Pelas redes sociais, pessoas anônimas convocaram à "Caravana migrante de 15 de janeiro", que partirá do rodoviária da segunda cidade de Honduras.

Desta rodoviária também partiu a primeira caravana para os EUA, com cerca de 2 mil hondurenhos, em 13 de outubro, e uma segunda, menor, quatro dias depois.

O movimento foi acompanhado de caravanas semelhantes a partir de El Salvador e Guatemala.

Segundo a embaixada de Honduras no México, há cerca de 2.500 hondurenhos em albergues no território mexicano, e apenas 3% deste contingente têm chances de entrar nos Estados Unidos.

No total, cerca de 13 mil hondurenhos participaram destas caravanas e ao menos 7.270 retornaram a Honduras.

Ao menos onze hondurenhos morreram no trajeto, o último um jovem de 23 anos atropelado por um trem no México.

Na quinta-feira passada, ao visitar a fronteira na região de McAllen, Texas, Trump reclamou que "Honduras, Guatemala e El Salvador "não fazem nada pelos Estados Unidos" para impedir a emigração e advertiu que "há outra gigantesca caravana se formando no momento em Honduras (...), a maior que já vimos".
 
EUA prorroga presença de soldados

O governo dos Estados Unidos prorrogará até o dia 30 de setembro a presença de militares na fronteira com o México para auxiliar às autoridades diante do fluxo migratório irregular, anunciaram funcionários nesta segunda-feira.

Como parte da decisão de prorrogar a missão além do prazo inicial, de 31 de janeiro, o Pentágono informou estar "iniciando a transição de seu apoio na fronteira sudoeste de reforço nos pontos de entrada e vigilância", assim como instalando barreiras de arame farpado ao longo da fronteira.

"O departamento de Defesa continuará dando apoio aéreo" na fronteira, acrescenta a declaração. 

O Pentágono tem 2.350 soldados ativos estacionados ao longo da fronteira, mobilizados após uma polêmica ordem emitida pelo presidente Donald Trump no ano passado, antes das eleições de meio de mandato. 

Além dos militares, cerca de 2.200 membros da Guarda Nacional apoiam as operações na fronteira. 

O papel da tropa tem sido principalmente levantar quilômetros de cercas de arame farpado ao longo de pontos de entrada conhecidos. 

Trump tem sido irredutível em sua exigência de construir um muro na fronteira, provocando um impasse político e a paralisação parcial do governo devido a falta de orçamento.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade