Publicidade

Correio Braziliense

Kremlin considera estúpida acusação de que Trump é um agente russo

O Kremlin considera que acusar o presidente americano, Donald Trump, de ser um agente russo é estúpido


postado em 16/01/2019 16:36

Trump se defendeu na segunda-feira diante dos jornalistas na Casa Branca:
Trump se defendeu na segunda-feira diante dos jornalistas na Casa Branca: "Nunca trabalhei para a Rússia e acho que é uma vergonha me fazerem essa pergunta" (foto: AFP)
 
Moscou, Rússia - O Kremlin considera que acusar o presidente americano, Donald Trump, de ser um agente russo é estúpido, indicou nesta quarta-feira (16) um conselheiro da presidência russa em plena polêmica sobre os seus supostos vínculos com Moscou.

Trump negou novas as informações de que teria escondido detalhes de conversas com o presidente russo, Vladimir Putin, e que asseguram que o Birô Federal de Investigações (FBI) dos Estados Unidos busca determinar se Trump trabalha para Moscou.

"Por que comentar essa estupidez? Como o presidente dos Estados Unidos poderia ser um agente de outro país?", disse o conselheiro presidencial russo Yuri Uchakov a jornalistas.

Uchakov acrescentou que as relações com os Estados Unidos são muito ruins e que "nada foi feito para melhorar" desde a eleição de Donald Trump, em novembro de 2016.

O chanceler russo, Serguei Lavrov, explicou nesta quarta-feira que é "difícil entender o que passa em torno dessas acusações" contra Trump.

"Não posso acreditar que os jornalistas nos Estados Unidos se ocupem desses problemas", declarou em coletiva de imprensa.

Segundo o New York Times, o FBI abriu uma investigação, que logo foi incorporada à do procurador especial Robert Mueller sobre as suspeitas de conluio entre Moscou e a equipe de campanha do candidato republicano à eleição presidencial de 2016.

 
'Nenhum vazamento'
 
O próprio Trump se defendeu na segunda-feira diante dos jornalistas na Casa Branca: "Nunca trabalhei para a Rússia e acho que é uma vergonha me fazerem essa pergunta".

Trump criticou esta informação como "grande quantidade de notícias falsas" e chamou os líderes do FBI na época, que decidiram investigá-lo, de "sem vergonhas".

O Washington Post também informou sobre as precauções que Trump teria tomado para esconder detalhes de suas conversas com Putin.

Segundo o jornal americano, Trump atuou pessoalmente para evitar que as notas tomadas por seu intérprete durante os encontros individuais com Putin fossem compartilhadas com ajudantes. Supostamente levou as notas e ordenou ao intérprete que não divulgasse o conteúdo.

A Casa Branca nega as informações do Washington Post e a porta-voz Sarah Sanders as chamou de "tão escandalosamente inexatas que sequer merecem uma resposta".

Nesta quarta-feira, o chanceler russo, Serguei Lavrov, se questionou sobre o fato de a complexa investigação estar quase à prova de vazamentos, insinuando que isto significa que o procurador Mueller não encontrou provas concretas.

"Não foram apresentados fatos e não houve nenhum vazamento, o que é muito estranho para o sistema político americano", disse Lavrov.

Donald Trump nega categoricamente um conluio com a Rússia e muitas vezes critica a investigação de Mueller, que chama de "caça às bruxas". Esta investigação deu lugar a várias acusações e condenações, em particular de ex-colaboradores do presidente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade