Publicidade

Correio Braziliense

Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo

A maioria dos passageiros era da África Ocidental. A informação é da Organização Internacional para as Migrações (OIM)


postado em 20/01/2019 09:50

(foto: AFP / FEDERICO SCOPPA)
(foto: AFP / FEDERICO SCOPPA)
Um grupo de 160 a 170 imigrantes se afogou no Mar Mediterrâneo perto da Líbia e do Marrocos. Três pessoas resgatadas pela Marinha italiana disseram que havia 120 ocupantes na embarcação. A maioria dos passageiros era da África Ocidental. A informação é da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

O barco deixou Gasr Garabulli na Líbia dia 17 à noite e começou a afundar cerca de 10 a 11 horas depois, disse o porta-voz da OIM, Flavio Di Giacomo. Dez passageiros eram mulheres e dois eram crianças.

Os três imigrantes resgatados estavam sendo tratados por hipotermia em um hospital na ilha italiana de Lampedusa. A Marinha disse que viu três cadáveres no mar quando resgatou os três sobreviventes.

Um avião da patrulha naval italiana tentou ajudar os imigrantes depois de identificar o bote na sexta-feira (18), disse o contra-almirante Fábio Agostini. Mas a aeronave foi forçada a sair devido à falta de combustível, segundo ele.

O grupo de apoio alemão Sea Watch informou ter resgatado 47 imigrantes de um barco inflável ontem (19).

Na Itália, o presidente Sergio Mattarella expressou sua "profunda tristeza pela tragédia ocorrida no Mediterrâneo". O primeiro-ministro Giuseppe Conte disse estar "chocado" com o incidente e que a Itália continuará lutando contra os traficantes de pessoas no norte da África.

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, disse que as mortes relatadas são "prova" de que a política da Itália de impedir navios que transportam migrantes de atracar nos portos italianos está funcionando.

A Europa registrou, apenas nos 16 primeiros dias deste ano, a chegada de 4.449 imigrantes, a maioria por via marítima. No ano passado, no mesmo período, o número era 2.964.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade