Publicidade

Correio Braziliense

Ex-presidente ucraniano é condenado a 13 anos de prisão

O ex-presidente ucraniano Víktor Yanukóvytch foi condenado nesta quinta-feira (24) a 13 anos de prisão por "alta traição" na Ucrânia


postado em 24/01/2019 16:09 / atualizado em 24/01/2019 16:47

Kiev, Ucrânia - O ex-presidente ucraniano Víktor Yanukóvytch, asilado na Rússia desde a sua destituição, em 2014, após um alçamento popular pró-ocidental, foi condenado nesta quinta-feira (24) a 13 anos de prisão por "alta traição" na Ucrânia, onde seu julgamento aconteceu à revelia.

Um tribunal de Kiev "determinou a culpa" de Yanukóvytch, de 68 anos, e "o condenou a 13 anos de prisão", anunciou o juiz Vladislav Deviatko.

Segundo o tribunal, "por seus atos ilegítimos premeditados, Yanukóvytch cometeu um crime enfraquecendo os fundamentos da segurança nacional ucraniana (...)", ou seja, uma "alta traição", explicou.

O ex-dirigente ucraniano foi considerado culpado de "cumplicidade na implementação de uma guerra agressiva contra a Ucrânia", segundo a mesma fonte.

O advogado de Víktor Yanukóvytch anunciou a sua intenção de apelar desta condenação.

Eleito presidente da Ucrânia em 2010, Yanukóvytch fugiu em fevereiro de 2014 para Rostov-on-Don, no sul da Rússia, depois de várias semanas de uma resposta pró-europeia em Kiev violentamente reprimida. O Parlamento o destituiu em 22 de fevereiro de 2014.

O presidente russo, Vladimir Putin, revelou posteriormente que esta fuga foi possível graças a uma operação especial elaborada em Moscou e destinada a retirar Yanukóvytch do país.

Yanukóvytch foi acusado de "alta traição" especialmente por ter pedido a Putin que enviasse tropas russas ao país depois de sua fuga para a Rússia.

As novas autoridades pró-ocidentais de Kiev exigiram várias vezes a extradição de Yanukóvytch, cujo julgamento ocorria na Ucrânia desde 2017.

O levante pró-europeu na Praça da Independência de Kiev, em 21 de novembro de 2013, terminou três meses depois, após uma repressão violenta e a morte de 100 manifestantes e de cerca de 20 policiais em confrontos.

Após a chegada dos pró-europeus ao poder, a Rússia anexou a península da Crimeia em março de 2014, dando início a um conflito com os separatistas pró-russos no leste do país, que causou mais de 10.000 mortes.

Em 2016, durante uma coletiva de imprensa em Rostov-on-Don, Yanukóvytch assegurou que o único erro foi "não ter chamado o Exército e introduzido a lei marcial" para acabar com os problemas que deram lugar à sua destituição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade