Publicidade

Correio Braziliense

Pais de menino assassinado pedem retirada de curta sobre o caso do Oscar

Os pais de um menino assassinado por dois menores em 1993, em Liverpool, pedem que curta-metragem sobre sua morte seja retirado da lista de indicados ao Oscar


postado em 24/01/2019 18:29 / atualizado em 24/01/2019 18:36

Em 1993, Jon Venables e Robert Thompson sequestraram, torturaram e mataram o pequeno James Bulger em Liverpool(foto: Reprodução/Internet )
Em 1993, Jon Venables e Robert Thompson sequestraram, torturaram e mataram o pequeno James Bulger em Liverpool (foto: Reprodução/Internet )
 
Londres, Reino Unido - Os pais de um menino de dois anos torturado e assassinado por outros dois menores em 1993 em Liverpool (nordeste da Inglaterra) pediram, nesta quinta-feira (24), que um curta-metragem sobre sua morte seja retirado da lista de indicados ao Oscar e que não seja distribuído.

Em 1993, Jon Venables e Robert Thompson, que tinham 10 anos na época, sequestraram, torturaram e mataram o pequeno James Bulger em Liverpool. O corpo do menor foi encontrado dois dias depois perto dos trilhos do trem, em um caso que comoveu o país.

O diretor irlandês Vincent Lambe realizou um curta-metragem de 30 minutos intitulado "Detainment" (Detenção) e apresentado como uma "história real baseada nas transcrições dos interrogatórios [com a polícia] e das gravações".

Os pais de James Bulger, Denise Fergus e Ralph Bulger, pedem ao diretor que retire seu curta-metragem da disputa pelo Oscar e que renuncie a sua distribuição.

"Dizemos a Vincent Lambe, já que se candidata ao Oscar, que se retire e retire seu filme da esfera pública", declarou Ralph Bulger, segundo declarações divulgadas na quinta-feira pela agência de notícias britânica PA.

"Uma coisa é fazer um filme sem contatar ou pedir a autorização da família de James e outra é fazer um menino interpretar as últimas horas da vida de James antes dele ser brutalmente assassinado e fazer reviver tudo isso de novo em mim e na minha família", tuitou na terça-feira a mãe do menino.

Uma petição para que o filme seja retirado da lista de indicados tinha reunido, na quinta-feira de manhã, mais de 112.000 assinaturas. Segundo um texto publicado por Lisa Young, que lançou esta iniciativa no site Change.org, a Academia "não escutou absolutamente a indignação e ignorou completamente esta petição".

Em 2001, os dois condenados foram postos em liberdade condicional, sob novas identidades para evitar que sofressem represálias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade