Publicidade

Correio Braziliense

Bolivianos votam em inéditas e polêmicas prévias presidenciais

Segundo a oposição, as primárias foram promovidas pelo governo para alavancar a polêmica candidatura de Morales para um quarto mandato sucessivo (2000-2025)


postado em 27/01/2019 21:45

La Paz - Os bolivianos foram às urnas, neste domingo (27/1), em inéditas eleições primárias para escolher candidatos presidenciais para o pleito marcado para outubro deste ano, em uma polêmica votação sem concorrência e com um único pré-candidato inscrito por cada partido.

"De maneira geral, (as primárias) foram um sucesso (...) na primeira vez que o povo boliviano participa das eleições primárias", disse o presidente Evo Morales à emissora de rádio estatal Patria Nueva, ao minimizar as críticas da oposição, que convocou um boicote às votações.

As seções começaram a fechar as portas às 16h locais (18h em Brasília). Os primeiros resultados são esperados para começarem a ser divulgados a partir das 22h (horário de Brasília).

Segundo a oposição, as primárias foram promovidas pelo governo para alavancar a polêmica candidatura de Morales para um quarto mandato sucessivo (2000-2025). O Tribunal Constitucional validou sua pré-candidatura em 2017, apesar de a população tê-la rejeitado em um referendo em 2016.

Nove partidos, ou alianças, participaram das primárias, nas quais cada legenda inscreveu apenas uma chapa formada pelo pré-candidato a presidente e a vice-presidente.

No poder desde 2006, a chapa governista é formada por Morales, primeiro presidente indígena da Bolívia, e por seu vice, Álvaro García. Ambos buscarão a reeleição em outubro.

Morales votou em uma escola em Villa Tunari, na região central de Cochabamba, e García, em um colégio em La Paz.

As outras chapas são formadas pelos ex-presidentes Carlos Mesa (Comunidade Cidadã) e Jaime Paz Zamora (Partido Democrata-Cristão), pelo ex-vice-presidente Víctor Hugo Cárdenas (Unidade Cívica Solidariedade) e pelo senador Oscar Ortiz (Bolívia Diz Não).

Outros quatro partidos nanicos completam a lista de participantes para essa disputa interna, um passo obrigatório para competir nas eleições de outubro. O Congresso também será totalmente renovado.

"Estas primárias são puro formalismo, porque, em cada partido, já há candidatos eleitos", disse à AFP o analista e professor universitário Carlos Cordero.

"São uma eleições, portanto, atípicas, mas vão servir para uma demonstração de força do presidente Evo Morales e de seu partido", que se orgulha de ter quase um milhão de militantes, completou Cordero.

Ao custo de quatro milhões de dólares, a realização das primárias foi resultado de uma nova Lei de Partidos Políticos impulsionada pelo MAS, de Evo Morales, e aprovada em outubro passado.

A oposição insistiu em que se tratava de um gasto inútil, já que as primárias servirão apenas para legitimar a candidatura de Morales.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade