Publicidade

Correio Braziliense

'Um muro é um muro!': Trump não aceita usar o termo 'barreira'

'Vamos chamá-lo de muro e vamos parar de jogos políticos!', tuitou Donald Trump nesta segunda-feira (31/01)


postado em 31/01/2019 15:18 / atualizado em 31/01/2019 15:35

(foto: Alex Edelman / AFP)
(foto: Alex Edelman / AFP)
 
Washington, Estados Unidos - Muro de concreto? Barreira de aço? Donald Trump voltou com sua retórica em relação a seu projeto emblemático, em um momento em que as negociações em busca de um compromisso orçamentário recomeçam no Congresso.

Há várias semanas, alguns legisladores republicanos, e o próprio Trump aproveitando a circunstância, falam de "barreira" ao longo da fronteira com o México, na esperança de o plano soar mais aceitável aos olhos dos democratas e evitar um novo "shutdown".

Na manhã desta quinta-feira, no entanto, o presidente americano estimou que isso não ajudava em nada.

"Vamos chamá-lo de muro e vamos parar de jogos políticos!", tuitou como se estivesse se dirigindo aos seus próprios conselheiros. "Um MURO é um MURO!", acrescentou, enfatizando sua mensagem com letras maiúsculas.

Em uma cascata de tuítes, o presidente também estimou que os legisladores republicanos estavam perdendo tempo negociando: "Os democratas (...) não desbloquearam dinheiro para construir o muro que precisamos desesperadamente".

Por sua vez, o presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador se esquivou de responder aos tuítes de Trump sobre a violência no México e o muro fronteiriço.

López Obrador, que costuma atacar cotidianamente governos anteriores ou o modelo neoliberal, desta vez se esquivou do debate. 

"Eu respeito. Os mais velhos, os que têm mais idade, se lembram. Havia um técnico, o 'Bora', que dizia 'respeito, eu respeito'. Assim agimos em alguns casos", declarou, ironicamente.

"Bora" foi técnico dos Pumas e da seleção mexicana e cunhou a frase "eu respeito"  para evitar cair em polêmicas junto à imprensa esportiva e os torcedores.

De acordo com um relatório divulgado na segunda-feira pelo Escritório de Orçamento do Congresso (CBO) americano, a paralisação parcial do governo, que durou mais de um mês, fez encolher o PIB em 11 bilhões de dólares, quase o dobro do que Trump precisa para construir seu projeto de muro.

O relatório indica, no entanto, que grande parte deste montante será compensado pela reativação das operações do governo e as perdas serão de apenas 3 bilhões, o equivalente a 0,02% do PIB no saldo final. 

A paralisação orçamentária, que foi a mais longa da história dos Estados Unidos, afetou cerca de 800.000 funcionários públicos, que tiveram de trabalhar sem remuneração, ou que saíram de licença sem remuneração.

Trump acabou cedendo aos democratas, ao aceitar o financiamento temporário dos serviços federais, mas isso não encerrou a crise, porque só financiamento garantido até 15 de fevereiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade