Publicidade

Correio Braziliense

Rússia denuncia ingerência europeia após reconhecimento de Guaidó

Vários países europeus anunciaram reconhecer o presidente da Assembleia da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente encarregado do país para que convoque rapidamente uma eleição presidencial


postado em 04/02/2019 11:38

(foto: Maxim Shemetov / Pool / AFP)
(foto: Maxim Shemetov / Pool / AFP)

O Kremlin denunciou, nesta segunda-feira (4/2), o que considera como uma tentativa de interferência nos assuntos internos da Venezuela por parte de vários países europeus que reconheceram o chefe da oposição venezuelana Juan Guaidó como "presidente encarregado" da Venezuela.

 

"Percebemos as tentativas de legitimar a usurpação do poder como uma ingerência direta e indireta nos assuntos internos da Venezuela", disse à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov.

 

"Isso não favorece, em nenhum caso, uma solução pacífica, eficaz e viável para a crise que a Venezuela atravessa", afirmou Peskov, considerando que apenas os venezuelanos devem encontrar uma solução.

 

Vários países europeus anunciaram, nesta segunda, que reconhecem o presidente da Assembleia da Venezuela, Juan Guaidó, como "presidente encarregado" do país para que convoque rapidamente uma eleição presidencial.

 

Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Portugal e Holanda haviam dado um ultimato até este domingo para que o presidente Nicolás Maduro convocasse eleições. Caso contrário, reconheceriam Guaidó.

 

Em uma entrevista divulgada no domingo pelo canal espanhol La Sexta, Nicolás Maduro rejeitou o ultimato e disse que não dará o braço a torcer por covardia frente às pressões dos que exigem sua saída.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade