Publicidade

Correio Braziliense

Venezuela pagou US$ 2,3 bilhões de dívida com petroleira russa em 2018

A Rússia é o segundo maior credor da Venezuela, atrás da China. Moscou também é um dos principais apoios do governo de Nicolás Maduro frente ao autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, que tem apoio dos Estados Unidos e de diversos países da América Latina e da União Europeia


postado em 05/02/2019 12:55

(foto: Maxim Shemetov. / AFP )
(foto: Maxim Shemetov. / AFP )

A Venezuela reduziu sua significativa dívida com a petroleira semipública russa Rosneft em US$ 2,3 bilhões em 2018, informou nesta terça-feira a empresa. Em apresentação a seus investidores, a Rosneft declarou que em 2018 a Venezuela devolveu US$ 2,3 bilhões dos US$ 4,6 bilhões (sem juros) emprestados pela petroleira russa. 

 

A Rússia é o segundo maior credor da Venezuela, atrás da China. Moscou também é um dos principais apoios do governo de Nicolás Maduro frente ao autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, que tem apoio dos Estados Unidos e de diversos países da América Latina e da União Europeia. 

 

Parte da dívida venezuelana com a Rússia é reembolsada em forma de hidrocarbonetos, segundo acordos entre a Rosneft e a petroleira estatal venezuelana PDVSA.

 

Oficialmente, os aportes são adiantamentos para contratos de entrega de petróleo e combustível, mas muitos especialistas consideram um apoio financeiro direto ao governo de Caracas. 

 

A Rosneft tem uma participação minoritária em quatro projetos petroleiros da PDVSA e é proprietária de várias fábricas de gás no país. 

 

O vice-presidente da Rosneft, o francês Eric Liron, disse em ligação telefônica que "não está previsto reduzir a produção em 2019 nos projetos comuns com a PDVSA". 

 

Esta empresa está sob sanções dos Estados Unidos. "Acompanhamos permanentemente a situação política e econômica da Venezuela", declarou Liron, considerando que "a instabilidade da situação política" é um "fenômeno temporário que não afeta de forma significativa os projetos existentes".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade