Publicidade

Correio Braziliense

Chile decreta estado de catástrofe em três regiões por incêndios

Um total de 16 incêndios deixaram, desde este fim de semana, dois mortos, 125 afetados, mais de 7.000 hectares destruídos e cerca de meia centena de casas queimadas


postado em 05/02/2019 17:50

(foto: STR / AFP)
(foto: STR / AFP)
 
Santiago, Chile - O governo chileno decretou nesta terça-feira (5) estado de catástrofe em três regiões do sul do país, onde se registram 630 focos de incêndios que destruíram 9.300 hectares, informou Rodrigo Ubilla, subsecretário do Interior.

A medida foi adotada para as regiões de Maule, Biobío e La Araucanía devido ao "aumento significativo" das ocorrências nessas zonas, onde 630 focos destruíram 9.500 hectares até o momento, indicou Ubilla em coletiva de imprensa.

"O governo deve dispôr de todos seus recursos a fim de dar tranquilidade e poder paliar estas circunstâncias que são tão adversas. Com base nisso é que foi decretado" o estado de catástrofe, indicou Ubilla.

Este decreto de exceção tem como objetivo nomear um encarregado nacional para "coordenar todas as ações preventivas" com órgãos do estado como Policias e Forças Armadas, que deverão controlar a ordem pública nas zonas afetadas, explicou a autoridade.

Das três regiões, em Araucanía (cerca de 680 km ao sul de Santiago) é a mais afetada. Um total de 16 incêndios deixaram, desde este fim de semana, dois mortos, 125 afetados, mais de 7.000 hectares destruídos e cerca de meia centena de casas queimadas, segundo autoridades dessa zona.

Ubilla afirmou que as altas temperaturas, acima de 30 graus, que afetam o centro e o sul do Chile durante o verão, contribuíram para a expansão do fogo.

"Os registros históricos de altas temperaturas se manterão durante os próximos dias", acrescentou.

A nível nacional, foram registrados 45 incêndios ativos que se concentram no sul chileno onde os incêndios são frequentes durante o verão boreal.

Entre janeiro e fevereiro de 2017, um megaincêndio florestal que afetou o centro-sul do país consumiu 467.000 hectares, com um custo de 26,5 milhões de dólares.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade