Publicidade

Correio Braziliense

Admissão do papa sobre abusos de padres a freiras é elogiada

A diretora do suplemento feminino do jornal do Vaticano L'Osservatore Romano, Lucetta Scaraffia, parabenizou a histórica admissão do papa Francisco sobre os abusos cometidos pelo clero contra as freiras


postado em 06/02/2019 11:49

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A diretora do suplemento feminino do jornal do Vaticano L'Osservatore Romano, Lucetta Scaraffia, parabenizou nesta quarta-feira (6/2) a histórica admissão do papa Francisco sobre os abusos cometidos pelo clero contra as freiras.

 

"Esta é a primeira vez que o papa e a Igreja, como instituição, admitem publicamente que esses abusos foram cometidos, o que é extremamente importante", disse Scaraffia.

 

A historiadora e jornalista italiana dedicou a edição de fevereiro do jornal do Vaticano ao caso de abuso sexual de religiosas e pediu à Igreja que assumisse o compromisso de não acobertar esse fenômeno.

 

Na véspera, durante a tradicional coletiva de imprensa no voo de volta dos Emirados Árabes Unidos, o pontífice argentino admitiu que padres e também bispos abusaram sexualmente de freiras. "Havia padres e também bispos que faziam isso", afirmou o papa, que nunca havia abordado essa questão publicamente. 

 

"A Igreja suspendeu vários clérigos", e o Vaticano está trabalhando nesta questão há muito tempo", confessou.

 

O escândalo das freiras eclodiu depois que a Igreja Católica teve de lidar com uma onda de denúncias contra padres pedófilos em vários países, como Chile, Irlanda, Estados Unidos e Austrália.

 

O semanário do Vaticano relatou até mesmo o estupro de freiras, que foram forçadas a abortar, ou a criar filhos que não eram reconhecidos por seus pais sacerdotes.

 

Trata-se de um fenômeno que tem sido pouco relatado e está vindo à luz em muitos países, incluindo Chile, Itália, Peru e Índia e países da África. "É uma situação muito difícil, que tem suas raízes na dependência das freiras. Elas não são reconhecidas como iguais", explicou Scaraffia.

 

Em um comunicado à imprensa divulgado nesta quarta-feira, o porta-voz interino da Santa Sé, Alessandro Gisotti, esclareceu que, quando o Santo Padre falou ontem da "escravidão sexual" em algumas congregações, ele também se referiu "à manipulação e a formas de abuso de poder, que também incluem abuso sexual".

 

Desde novembro passado, a União Internacional das Superioras Gerais (UISG), uma organização que representa mais de meio milhão de freiras católicas, assumiu o compromisso de atender a todas as religiosas que denunciam uma agressão sexual.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade