Publicidade

Correio Braziliense

Congresso dos EUA avança em negociações sobre muro; verba cairia para US$ 1,6 bi

Há sinais de sinais de que a Casa Branca pode aceitar apenas uma parte dos US$ 5,7 bilhões que Trump exige para erguer muro na fronteira com o México


postado em 09/02/2019 10:23 / atualizado em 09/02/2019 12:49

(foto: WIN MCNAMEE / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
(foto: WIN MCNAMEE / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP)
O Congresso norte-americano tem trabalhado em um acordo sobre o financiamento da segurança da fronteira em meio aos sinais de que a Casa Branca estaria disposta a aceitar uma proposta bipartidária que daria ao presidente Donald Trump apenas uma parte dos US$ 5,7 bilhões que ele exige para a construção de um muro na fronteira do país com o México.

A soma destinada para esse fim deve ficar mais próxima de US$ 1,6 bilhão, de acordo com participantes das negociações. Esse era o valor proposto em um projeto de lei apresentado no Senado ano passado. "É nisso que estamos trabalhando", disse Lucille Roybal-Allard (Democrata da Califórnia), uma das negociadoras.

O acordo também evitaria uma nova paralisação parcial do governo federal (shutdown) no próximo final de semana. Trump já alertou sobre a possibilidade de uma nova paralisação da máquina pública federal caso não consiga o que deseja. A ameaça, no entanto, tem se mostrado inútil diante da forte oposição que tem enfrentado dos deputados e senadores do seu próprio partido, o Republicano, enfraquecido pela paralisação recorde de 35 dias iniciada em dezembro.

Segundo um auxiliar da Casa Branca, a expectativa é de que Trump apoiará qualquer compromisso que for acordado e ele sabe que os parlamentares republicanos não estão dispostos a enfrentar outra paralisação.

Aliado a ampla expectativa de que o termo "muro" não será utilizado, o pacto em negociação representaria um recuo considerável para Trump, que tem alardeado desde a campanha presidencial a promessa de "construir um muro!". Fonte: Associated Press.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade