Publicidade

Correio Braziliense

Guaidó aumenta pressão para que militares deixem ajuda entrar na Venezuela

Reconhecido como presidente interino por cerca de 50 países, Guaidó está preparando mobilizações em todo o país


postado em 18/02/2019 19:00

(foto: YURI CORTEZ / AFP)
(foto: YURI CORTEZ / AFP)
 
Caracas, Venezuela - O opositor venezuelano Juan Guaidó exigiu nesta segunda-feira (18) aos militares que deixem entrar no país no próximo sábado a ajuda humanitária, apesar de o governo de Nicolás Maduro ordernar-lhes bloqueá-la por considerá-la o início de uma invasão militar americana.

"A ordem está dada. De novo, senhores da Força Armada: permitam que entre a ajuda humanitária, têm a oportunidade de se colocar ao lado da Constituição, das necessidades do povo", assegurou Guaidó, líder do Congresso de maioria opositora.

Reconhecido como presidente interino por cerca de 50 países, Guaidó está preparando mobilizações em todo o país para acompanhar voluntários que irão à fronteira em caravanas de ônibus em busca de toneladas de remédios e alimentos, armazenados no Brasil, na Colômbia e em Curaçao.

"Em 23 de fevereiro, a ajuda humanitária de um jeito ou de outro vai entrar na Venezuela e em todos os cantos do país vamos nos mobilizar. As brigadas irão em caravana, enquanto haverá protestos (...). Não será através do medo que vão nos deter", assegurou.

As remessas de assistência realizadas em aviões militares dos Estados Unidos permanecem nos armazéns da cidade colombiana de Cúcuta, perto da ponte fronteiriça de Tienditas, bloqueada por militares venezuelanos com caminhões e outros obstáculos.

Um segundo centro de armazenamento no Brasil se localiza no estado fronteiriço de Roraima, e nesta terça-feira um avião chegará de Miami a Curaçao com mais ajuda americana, segundo a equipe de Guaidó.

A Força Armada, principal base de sustentação de Maduro, reforçará a presença nas fronteiras, pois na avaliação de Maduro, a ajuda humanitária é um show e o prelúdio de uma ação militar não descartada pelo governo de Donald Trump.

Guaidó agradeceu o apoio de Trump, que deve falar sobre a crise venezuelana nesta segunda-feira em Miami.

Concertos pró e contra Guaidó

Guaidó marcou para a entrada da ajuda o dia em que completa um mês de se autoproclamar como presidente encarregado, depois que o Congresso declarou Maduro usurpador ao considerar fraudulenta sua reeleição.

Um dia antes será celebrado em Cúcuta um concerto com artistas internacionais, organizado pelo bilionário britânico Richard Branson para arrecadar US$ 100 milhões em 60 dias, que se somarão aos mais de US$ 110 milhões já arrecadados, segundo Guaidó.

Assistirão ao concerto os presidentes da Colômbia, Iván Duque, e do Chile, Sebastián Piñera.

Em contrapartida, o governo de Maduro anunciou nesta segunda um concerto de dois dias, em 22 e 23 de fevereiro, na ponte Simón Bolívar, que liga Cúcuta à cidade venezuelana de San Antonio.

"Será uma mensagem de denúncia contra a agressão brutal à qual tentam submeter" a Venezuela, declarou o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, que disse que também serão enviadas a Cúcuta caixas de alimentos e que haverá dias de atendimento médico gratuito.

Guaidó, de 35 anos, não revelou como pretende vencer o cerco imposto por Maduro, mas assegura que no sábado haverá uma "avalanche humanitária" e que espera que os 700.000 voluntários registrados cheguem a um milhão.

Nesta segunda, a oposição denunciou que o site para o registro de voluntários foi bloqueado pela estatal CANTV, a maior provedora de telefonia e Internet na Venezuela. A AFP constatou que a página não funciona com este serviço, mas sim com o de companhias privadas.

Os venezuelanos sofrem com a falta de medicamentos e insumos hospitalares, além de uma voraz hiperinflação que o FMI prevê em 10.000.000% este ano. Fugindo da crise, 2,3 milhões de venezuelanos (7% da população) emigraram desde 2015, segundo a ONU.

Mas Maduro, que taxa a ajuda enviada pelos Estados Unidos de "migalhas" de "comida podre e contaminada", culpa pela crise as sanções financeiras de Washington, com danos à economia estimados por Caracas em 30 bilhões de dólares.

"Não há possibilidade de uma guerra"

O conflito pela ajuda humanitária sofreu uma escalada em nível internacional. Rússia, China, Turquia, Irã, Cuba e outros aliados de Maduro condenaram a "ingerência" dos Estados Unidos e de outros países.

No domingo, o governo proibiu a entrada no país de cinco deputados do Grupo do Partido Popular Europeu (PPE) e do sub-secretário geral dessa formação, que pretendiam se reunir com Guaidó, mas foram devolvidos no aeroporto internacional.

"A delegação de eurodeputados (...) é expulsa por um regime isolado e cada vez mais irracional", reagiu Guaidó. Segundo o chanceler Jorge Arreaza tinham "fins conspiratórios".

Os eurodeputados, cuja proibição de entrada foi condenada pela Espanha e pela França, anunciaram em Madri que tentarão entrar da Colômbia no sábado.

A União Europeia (UE) advertiu nesta segunda-feira do perigo de uma escalada militar, dois dias antes da chegada de uma missão do grupo de contato que impulsiona uma saída para a crise através de eleições presidenciais.

"Não há possibilidade de uma guerra civil (...), 90% dos venezuelanos querem mudanças, falam de ajuda humanitária, do futuro. São eles que falam de guerra", afirmou Guaidó.

O Grupo de Lima, formada por países latino-americanos e o Canadá, se reunirá em 25 de fevereiro em Bogotá para ratificar seu apoio ao opositor.

Segundo Maduro, a Venezuela está no centro de uma luta geopolítica na qual Washington visa a se apropriar do petróleo e do ouro do país, usando Guaidó como um fantoche.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade