Publicidade

Correio Braziliense

Venezuela tem apagão de 16h e governo suspende dia de trabalho e aulas

Desde quinta-feira, o governo do presidente Nicolás Maduro acusa os Estados Unidos de liderar uma guerra elétrica e fala de sabotagem imperialista


postado em 08/03/2019 12:21

(foto: Yuri Cortez / AFP)
(foto: Yuri Cortez / AFP)

Após um apagão que já superou 16 horas, o governo da Venezuela anunciou nesta sexta-feira (8/3) a suspensão do dia de trabalho e das aulas nas escolas, em um dos mais prolongados cortes energia elétrica dos últimos anos. 

 

Desde quinta-feira, o governo do presidente Nicolás Maduro acusa os Estados Unidos de liderar uma guerra elétrica e fala de sabotagem imperialista. O governo tomou a decisão "com o objetivo de facilitar os esforços para a recuperação do serviço de energia elétrica no país, vítima da guerra elétrica imperialista", tuitou a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez. 

 

O caos tomou conta do país: hospitais em colapso, voos cancelados no aeroporto internacional Simón Bolívar, as principais cidades sem energia elétrica desde 16H50 de quinta-feira (17h50 de Brasília). A Venezuela ficou isolada, com as fronteira fechadas.

 

A economia está completamente paralisada, pois ninguém consegue sacar dinheiro dos caixas eletrônicos. Na quinta-feira, o serviço de telefonia e o metrô de Caracas interromperam os serviços, o que obrigou milhares de pessoas a caminhar por quilômetros até suas casas.

 

"Até o telefone está desligado, o calor insuportável, estamos sem água. O país está virando um desastre", disse à AFP Armando Cordero, de 57 anos.

 

A partida entre Deportivo Lara e Emelec do Equador pelo Grupo B da Copa Libertadores - prevista para quinta-feira em Barquisimeto - foi reprogramada para a tarde de sexta-feira. 

 

De acordo com a imprensa, o apagão afeta praticamente todo o país, com cortes em 23 dos 24 estados e na capital. As linhas telefônicas e a internet funcionam de modo intermitente.

 

Especialistas responsabilizam o governo socialista pela falta de investimentos na manutenção da infraestrutura em meio a uma grave crise econômica, mas autoridades denunciam atos de "sabotagem".

 

- "Guerra elétrica" -

Na quinta-feira à noite, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, denunciou uma sabotagem "crimina, brutal", que pretende deixar a Venezuela sem energia elétrica durante "vários dias" e a acusou o senador americano Marco Rubio.

 

Rubio, duro crítico do governo de Nicolás Maduro, fez piada ao retuitar um vídeo de Rodríguez: "Não, não é o Dr. Evil do filme Austin Powers. É 'Caracas Bob' (...) que revelou como eu sabotei pessoalmente uma central hidrelétrica e provoquei um apagão de amplitude nacional".

 

"A guerra elétrica anunciada e dirigida pelo imperialismo americano contra nosso povo será derrotada. Nada nem ninguém poderá vencer o povo de Bolívar e Chávez. Máxima união dos patriotas", escreveu Maduro no Twitter.

 

O presidente socialista mantém um duro confronto com o governo de Donald Trump, que reconheceu o presidente do Parlamento, Juan Guaidó, como chefe de Estado interino da Venezuela, como outros 50 países.

 

Há um ano, Maduro ordenou à Força Armada ativar um plano especial para proteger as instalações do  sistema elétrico diante da "guerra" para gerar o descontentamento popular, mas as falhas persistem.

 

A empresa estatal Corporação Elétrica Nacional (Corpoelec) denunciou, sem apresentar detalhes, um ato de sabotagem na central de Guri, localizada no estado de Bolívar.

 

"Sabotaram a geração em Guri... Isso faz parte da guerra elétrica contra o Estado. Não permitiremos. Estamos trabalhando para recuperar o serviço", publicou no Twitter a Corpoelec.

 

Guri é uma das maiores represas geradoras de energia da América Latina, atrás apenas da de Itaipu, entre Brasil e Paraguai.

 

"Temos El Guri, Tocoma e Caruachi. Temos Planta Centro e Tacoa. Temos água, petróleo e gás. Mas lamentavelmente temos um usurpador em Miraflores", tuitou Guaidó.

 

A economia do país sofre: o bolívar, a moeda local, sofreu uma gigantesca desvalorização e a hiperinflação deve chegar 10.000.000% em 2019, de acordo com as projeções do FMI.

 

A situação provoca uma falta de cédulas, pois a nota de maior valor, 500 bolívares, equivale a apenas 15 centavos de dólar, o que é insuficiente para comprar uma bala.

 

Desta maneira, as transações eletrônicas são indispensáveis, inclusive para operações pequenas como comprar pão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade